sáb. mar 6th, 2021

Em dois séculos, 47 espécies de aves podem ter sido extintas em Belém

O gavião-real (Harpia harpyja), entre outras 47 espécies estão desarecidas há pelos menos 200 anos na Grande Belém. (Foto: Alexander C.Lees/Arquivo pessoal)

Pesquisa publicada na revista internacional Conservation Biology apontou que 47 espécies de aves podem ter sido extintas da fauna na região metropolitana de Belém nos últimos 200 anos. De acordo com o estudo, algumas das espécies não foram mais vistas na região desde o ano de 1975.

Segundo a bióloga Nárgila Moura, do Museu Goeldi, que liderou os trabalhos, as primeiras espécies a desaparecerem foram as de grande porte, como arara-azul-grande (Anodorhynchus hyacinthinus) e gavião-real (Harpia harpyja), extintas antes de 1900.  O desaparecimento estaria relacionado à caça e ao tráfico, e também coincidiu com a construção da linha do ferro para Bragança, no nordeste do Pará, que ocasionou desmatamento na região. Já no último século, desapareceram espécies de pequeno porte, que são dependentes de florestas primárias e, por isso, mais sensíveis ao desmatamento.

Desmatamento pode ter favorecido desaparecimento espécies como a arara azul. (Foto: Paula Sampaio/Museu Goeldi)Desmatamento pode ter favorecido
desaparecimento espécies como a arara azul.
(Foto: Paula Sampaio/Museu Goeldi)

A pesquisa foi realizada pela Rede Amazônia Sustentável e o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia INCT Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia, uma parceria do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG), Embrapa, Universidade de Lancaster e Instituto Ambiental de Estocolmo, reunindo mais de 20 outros institutos colaboradores.

As aves são um dos grupos de animais mais bem estudados pelas instituições e a sua perda  acende um alerta para a provável perda de espécies de outros vertebrados, plantas e insetos, nos remanescentes florestais da região.

“O desenvolvimento de uma localidade quando ocorre de forma não organizada, impacta o meio ambiente de forma intensa. É fundamental que os gestores estabeleçam políticas de recuperação das áreas de florestas ainda existentes na região para que haja um ambiente favorável para o retorno desses animais, para que eles tenham condição de recolonizar essas áreas. Do contrário, as futuras gerações só poderão conhecer certas espécies somente taxidermizadas, nos museus”, critica a pesquisadora.

Do G1 PA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Semana do governador Carlesse é marcada por entrega de máquinas, busca pela vacina contra à Covid-19 e autorização do curso de Medicina em Paraíso

Da entrega de máquinas pesadas e ônibus escolares, a reunião com prefeitos, anúncio de concurso público, nomeações de delegados, busca por recursos em Brasília (DF), ações que visam complementar o...

Prefeitura de Carmolândia publica novo decreto de combate a pandemia do coronavírus

O prefeito de Carmolândia, Neurivan Rodrigues, reuniu, nesta quarta-feira, 3, com o secretário  de  saúde do município, Daniel Carneiro, para discutir novas medidas para conter a propagação do novo coronavírus...

Prefeitura de Gurupi firma termo de cooperação técnica com Governo do Estado

A Prefeita de Gurupi, Josi Nunes, e o vice-prefeito, Gleydson Nato, participaram nesta quarta-feira, 03, de uma reunião no Palácio do Araguaia, em Palmas, com o Governador Mauro Carlesse, que...

Adriana Aguiar acompanha andamento de obras em escolas e visita espaço direcionado a práticas esportivas, em Araguaína

A secretária de Estado da Educação, Juventude e Esportes, Adriana Aguiar, acompanhada dos superintendentes de Juventude, Esportes e Lazer, Clay Rios, e de Administração, Infraestrutura e Obras, Rômulo Junior, esteve...