Enem: 1,2 milhão de inscritos faltaram; 376 foram eliminados

Cerca de 3,9 milhões de pessoas fizeram hoje (3) o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os cerca de 1,2 milhão de faltosos representam 23% do total de 5,1 milhões de inscritos. Ao todo, 376 pessoas foram eliminadas por descumprirem as regras do exame. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).  

“Deu tudo certo, foi tudo perfeito, funcionou tudo bem. Tivemos a mais baixa abstenção da história”, avaliou o ministro da Educação, Abraham Weintraub. A taxa é mais baixa que a de faltas no primeiro dia de prova do ano passado, quando 24,9% dos inscritos não compareceram ao exame.

O índice total de abstenções no Enem 2019 será fechado apenas após o segundo dia de aplicação, no próximo domingo (10). Quem não fez a prova neste domingo ainda poderá comparecer ao segundo e último dia do exame.

O ministro avaliou o número de eliminados como baixo. Neste ano, o Enem passou a ter uma nova regra, candidatos cujos aparelhos eletrônicos que emitissem qualquer som, mesmo dentro do envelope porta-objetos seriam eliminados.

Vazamento da prova

Uma foto da prova de redação do Enem vazou hoje nas redes sociais. Segundo Weintraub, as investigações, a cargo da Polícia Federal, indicam que a foto foi tirada por um aplicador de prova.  

O ministro explicou que a suspeita de que tenha sido um aplicador se deve ao fato de que aparecem na imagem três provas de pessoas que faltaram ao exame e apenas aplicadores têm acesso ao caderno de provas de candidatos faltosos. A identificação é possível devido ao código de cada prova. “Houve a tentativa de macular, de colocar em xeque o Enem, ele foi um péssimo profissional, péssima pessoa ao fazer isso, mexe com a vida de 5 milhões de pessoas”, disse o ministro.  

Segundo o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, ao contrário dos participantes, que são eliminados se os celulares estiverem fora do envelope porta-objetos, os aplicadores podem portar os aparelhos.

“Porque eles entram em contato com os coordenadores para reportar problemas ou pedir orientações”, explicou Lopes. No entanto, no momento de abertura dos malotes e distribuição das provas, os aplicadores são orientados a não portarem celulares.

Segundo o ministro da Educação, apesar de a imagem ser verdadeira, o vazamento não causou prejuízo aos participantes, uma vez que a imagem foi divulgada após o início da aplicação: “O impacto foi zero”.

O ministro defendeu uma punição severa ao culpado por divulgar a imagem: “O que a gente vai tentar fazer é escangalhar ao máximo a vida dele. Eu sou a favor sempre de que pessoa que é um transgressor pague o preço da transgressão dela”, disse. “A gente vai atrás de absolutamente tudo que puder fazer para essa pessoa pagar pela má-fé dela, pela falsidade, pela traição que ela cometeu. Absolutamente tudo. Se der para ser criminal, criminal, cível, absolutamente tudo que a gente puder fazer para essa pessoa realmente se arrepender amargamente de um dia ter vindo ao mundo”, complementou.

Tema da redação

tema da redação deste ano foi Democratização do acesso ao cinema no Brasil. “Antigamente para ter acesso ao cinema, precisava de estrutura grande para produzir um filme e estrutura para ver o filme. Hoje, [a gente] vê o filme aqui”, disse levantando o celular. “Consegue fazer filme de coisa barata, isso democratizou”.

Segundo o ministro, não há uma resposta única para a redação. “O objetivo da redação é a pessoa conseguir elaborar um texto com argumentos racionais tangíveis e bem escrito. Achei muito bom o tema, gostei do tema, porque tinha várias possibilidades”, disse.

Sobre os conteúdos da prova como um todo, ele ressaltou que a orientação foi a elaboração de uma prova por meio da qual fosse possível selecionar pessoas qualificadas para entrar na faculdade: “O objetivo do Enem é selecionar as pessoas mais capacitadas. E acho que foi plenamente atendido”. Ele reafirmou que nem ele, nem o presidente do Inep tiveram acesso às provas com antecedência. “Tivemos contato com a prova hoje”.

Os participantes fizeram hoje as provas de redação, ciências humanas e linguagens. No dia 10, farão as provas de matemática e ciências da natureza.

Por Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil 

Estudantes classificados em memórias literárias estão em São Paulo participando da Olimpíada de Língua Portuguesa

São três alunos e três professores que estão participando da formação oferecida pela Olimpíada

Mais uma equipe de professores e estudantes está participando do Encontro de Semifinalistas da 6ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, categoria memórias literárias, que está sendo realizado em São Paulo. Do Tocantins, estão participando o aluno Luiz Eduardo Pereira da Silva e o professor Átila Miller Fernandes, da Escola Estadual Joaquim Francisco de Azevedo, de Taipas do Tocantins; o estudante Gabriel Antônio de Moura, com a professora Samara Gonçalves Lima, do Colégio Militar de Arraias; e a estudante Ana Clara Luz e a professora Marilda Belizário da Silva Ribeiro, da Escola Municipal Beatriz Rodrigues da Silva, de Palmas.

O estudante Luiz Eduardo está participando com o texto O pequi nosso de cada dia, o aluno Gabriel está na semifinal de Memórias Literárias com o tema Uma fênix em minha vida e a aluna Ana Clara, com o texto Saudades do Canela.

Esse encontro presencial da Olimpíada começou na segunda-feira, 28, e vai até o dia 30, com o anúncio da classificação dos trabalhos dos alunos e entrega de medalhas. Participam do encontro 125 estudantes brasileiros, que compartilham ideias, sonhos e sentimentos nos textos apresentados e seus respectivos professores.

A professora Samara contou que esta é a sua segunda participação na olimpíada. “Participei em 2012, chegamos à etapa final, e estou aprendendo muito. A minha prática pedagógica está sendo redirecionada mais uma vez, graças à troca de experiências e vivências com outros professores do país inteiro, graças também à formação oferecida pela olimpíada, que está sendo realizada em São Paulo e à formação, que é feita no site da OLP. Retornarei para a sala de aula mais revigorada, mais fortalecida para oferecer um ensino de qualidade para nossos alunos. Sinto-me lisonjeada em participar de um concurso desse nível, porque o nível da olimpíada é elevadíssimo”, frisou.

Gênero crônica

Na semana passada, foi realizado o encontro presencial do gênero crônica, na qual os estudantes Allanis Stephani Carvalho, do Colégio Militar de Arraias, e a estudante Ana Beatriz Rodrigues Paes, da Escola Municipal Beatriz Rodrigues, tiveram seus trabalhos classificados para a etapa final da olimpíada. O resultado final será divulgado na primeira semana do mês de dezembro.

A estudante Ana Beatriz concorre com o texto Sempre em busca de luz e Allanis está na final com a crônica Operação Cinderela.

Olimpíada

A Olimpíada tem o objetivo de melhorar o ensino e a aprendizagem da leitura e da escrita, e promover formação para professores que lecionam língua portuguesa. É uma realização do Itaú Social, com a coordenação do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), Programa Escrevendo o Futuro, com a parceria do Ministério da Educação.

Esta é a 6ª edição e representa um reforço para a valorização e a interação dos alunos com o seu território e propõe o tema O lugar onde vivo. A intenção é que os estudantes observem o lugar onde residem, aprofundem o conhecimento sobre sua realidade e estreitem laços com a comunidade.

Josélia de Lima/Governo do Tocantins

Participação da comunidade é foco em palestra sobre processo de transição UFT/UFNT

O Seminário Experiências de Transição realizado na tarde desta sexta-feira (25), no anfiteatro do Campus Cimba, reuniu docentes, técnicos-administrativos e alunos dos campus de Araguaína e Tocantinópolis da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Organizado pela Comissão de Acompanhamento do processo de criação da Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT), o seminário contou com a presença do reitor da UFT, professor Luís Eduardo Bovolato, da vice-reitora e palestrante do evento, professora Ana Lúcia de Medeiros e dos diretores dos campus de Araguaína e Tocantinópolis, professor Nataniel Araújo e José Manoel Sanches, respectivamente.

O reitor da UFT, professor Luís Eduardo Bovolato, ressaltou que a UFNT inicia com um padrão mais robusto, no que tange às experiências já vivenciadas pela UFT. “As experiências acumuladas pela UFT durante esses 16 anos são positivas e negativas. A UFNT tem todas as condições de ser, como uma nova universidade, aquela que trará as respostas para a sociedade que talvez nós da UFT ainda não conseguimos”, destacou Bovolato.

Para o professor Jose Manoel Sanches, diretor do campus de Araguaína, a comunidade acadêmica vem caminhando nesse projeto há mais de seis anos e o que o grupo continua firme para a implementação da UFNT. “Estamos todos juntos em nome de um projeto, independentemente de cores. Precisamos de mais pessoas e mais engajamento para que possamos definir um modelo de gestão que expresse nossa identidade e nossa configuração de universidade”, explicou o diretor.

 

Transição

Em sua palestra, a vice-reitora e professora Ana Lúcia de Medeiros, que está na UFT desde a sua implantação e atuou em diversas funções durante a implantação da universidade, ressaltou que não existe uma receita pronta de como implantar uma universidade e o melhor caminho será por meio da sociedade. “É inserindo a sociedade dentro do projeto da UFNT, construindo conosco esse grande projeto, ouvindo todos os segmentos que vamos conseguir debater e definir que cursos queremos, qual estrutura acadêmica e qual estrutura administrativa queremos para a UFNT”, refletiu a vice-reitora.

Medeiros relembrou ainda, em sua palestra, que a transição Unitins/UFT, teve seus gargalos, principalmente porque os servidores não conheciam o operacional, e muitos dos problemas que existem hoje na UFT são reflexos da transição. “Pela circunstância do momento na época, nós começamos pelo operacional, mas aqui é importante começar pelo estratégico, pois vivemos uma realidade diferente quando da implantação da UFT. Hoje todos já conhecem os procedimentos. O operacional será o mais simples de implantar porque a equipe conhece os procedimentos”, ressaltou Medeiros.

 

Próxima Fase

O Grupo de Trabalho criado para analisar os modelos de universidade apresentará já na próxima reunião, que será realizada no dia 27 de novembro, às 14h no campus de Tocantinópolis, relatório sobre as pesquisas e estudos já desempenhados pela equipe até então, acerca dos modelos de gestão para a UFNT.

Será criada ainda, uma comissão com representantes dos dois campus para organizar o debate sobre os modelos e futura definição do mesmo. “Esse momento é de união, trabalho e respeito. E é assim que estamos levando a construção da UFNT. Estamos no início de outra fase: alcançarmos o modelo de gestão que comunidade acadêmica acredita ser o melhor para a nossa realidade”, pontuou o membro Comissão de Acompanhamento e diretor do campus de Tocantinópolis, professor Nataniel Araújo.

 

UFNT

A Universidade Federal do Norte do Tocantins foi criada no dia 8 de julho, por meio da Lei 13.856/2019, fruto do desmembramento dos campus de Araguaína e Tocantinópolis da Universidade Federal do Tocantins. A UFNT, assim que implantada, contará com quatro campus, sendo as unidades já existentes nas cidades de Araguaína e Tocantinópolis, além de Guaraí e Xambioá.

A criação da UFNT atende a necessidade de expansão do ensino superior na região Norte do país, beneficiando cerca de 1,7 milhão de habitantes, abrangendo 66 municípios do Tocantins, Pará e Maranhão.

**Fotos/Crédito: Poliana Macedo/UFT

Educação abre consulta pública para construção colaborativa do Calendário Escolar para o ano letivo de 2020

Podem participar da construção do Calendário Escolar todos os envolvidos no processo educacional

As atividades do ano letivo nas escolas da rede estadual são determinadas pelo Calendário Escolar, documento em que estão registradas ações a serem desenvolvidas durante o período estabelecido. O Calendário Escolar está legitimado por Instrução Normativa que orienta e estabelece as regras para o cumprimento das atividades oficiais do Sistema Estadual de Ensino em todo o Tocantins.

Diante disso, faz-se necessário que os envolvidos no processo educacional participem da definição dos períodos direcionados a cada uma das atividades no espaço educativo, uma vez que o Calendário Escolar proporciona a participação das unidades escolares e comunidades locais na discussão do projeto de formação para os estudantes.

Neste sentido, a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) convida todos os envolvidos no processo educacional a contribuírem para a elaboração do Calendário Escolar 2020. Fazem parte deste grupo: comunidade escolar, servidores estaduais e municipais, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Tocantins (Sintet).

As contribuições e análises serão realizadas por meio de consulta pública, que ocorre entre 21 de outubro e 4 de novembro. Para registrar sua contribuição, os interessados devem acessar o formulário da consulta, por meio do endereço http://twixar.me/ZVH1.

Para Leandro Vieira, diretor de Gestão da Educação Básica, a ação é uma forma de possibilitar a participação de todos, de forma democrática. “Todos têm a oportunidade de participar de forma colaborativa na construção desse documento importante para o ensino público do Tocantins”, destacou.

Mais esclarecimentos podem ser obtidos por meio da Gerência de Certificação, Normatização e Inspeção Escolar, pelos telefones: 3218-6161/1665.

2019

No ano passado, a Seduc também abriu consulta pública para definição das datas e atividades que foram inseridas no Calendário Escolar para 2019. Com a ação, a gestão registrou mais de 15 mil colaborações da comunidade escolar, possibilitando uma construção coletiva do documento. 

Abrão de Sousa/Governo do Tocantins

Unitins prorroga inscrições para Vestibular 2020/1 até 7 de novembro

A Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) prorrogou o prazo de inscrições do Vestibular 2020/1 até o dia 07 de novembro. São ofertadas 480 vagas para os 12 cursos ofertados nos Câmpus de Palmas, Araguatins, Augustinópolis e Dianópolis. As inscrições são feitas exclusivamente pela internet no site da universidade (inscreva-se aqui). O valor da taxa de inscrição é de R$ 120,00.

Das vagas ofertadas, 50% são para egressos da rede pública de ensino médio, 40% para ampla concorrência e 10% são reservadas para o Sisu. No percentual de escola pública há a reserva de 10% para cotas raciais, atendendo à Lei Estadual 3.458/2019, para candidatos autodeclarados pretos e pardos e oriundos de comunidades indígenas, que tenham cursado o ensino médio integralmente em escolas públicas.

As provas do vestibular estão marcadas para 1º de dezembro e serão aplicadas nos quatro municípios onde a Unitins tem unidade. 

Confira os cursos oferecidos pela Unitins em cada uma de suas unidades de graduação:

• Câmpus Palmas

– Direito                                       

– Engenharia Agronômica           

– Serviço Social                       

– Sistemas de Informação       

 

• Câmpus Araguatins

– Letras                                   

– Pedagogia                            

 

• Câmpus Augustinópolis

– Ciências Contábeis                

– Direito                               

– Enfermagem                   

 

• Câmpus Dianópolis

– Administração                     

– Ciências Contábeis       

– Direito

Charlyne Sueste/Governo do Tocantins

 

 

Professores levam esperança e novas oportunidades para pessoas privadas de liberdade

No dia 15 de outubro, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) homenageia os profissionais responsáveis pela construção de conhecimento e mudança de vida.

 

A educação libertadora é ferramenta indispensável para transformação social dos indivíduos, sendo o professor essencial na construção de saberes e mediação de informações. Nesta terça-feira, 15, Dia do Professor, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) destaca a atuação dos educadores no Sistema Prisional e no processo de ressocialização das pessoas privadas de liberdade.

Conforme regulamenta a Lei de Execução Penal (LEP), a assistência educacional é um direito de toda pessoa privada de liberdade. No Tocantins, 64 professores atuam no Sistema Penitenciário, onde o ensino é ofertado através de parceria entre a Seciju, por meio da Gerência de Assistência Educacional e Saúde ao Preso e Egresso (GAESPE), e a Secretaria da Educação, Juventude e Esportes (Seduc).

A atuação dos professores nas casas penais funciona na modalidade de ensino de Educação de Jovens e Adultos (Eja), que oportuniza o aluno, que não teve acesso à educação na idade apropriada, retome aos estudos e os conclua em menos tempo. Já nas unidades de atendimento socioeducativo, o ensino é ofertado de forma regular. Em entrevista, os professores falaram sobre o trabalho desenvolvido com pessoas privadas de liberdade.
A professora da Unidade Prisional Feminina de Talismã, Marta Pires, ressalta que o trabalho desenvolvido nas unidades prisionais deve ser realizado de forma dinâmica. “O trabalho desenvolvido nas unidades prisionais é diferente da atuação no ensino regular, pois lidamos com alunas mais velhas, que por algum motivo tiveram que interromper os estudos, mas é gratificante, aprendemos a realizar ele da melhor forma, criamos um vínculo. Para execução desse trabalho precisamos ser mais dinâmicos, com intuito de chamar atenção das reeducandas”, afirmou.

Já o professor da Cadeia Pública de Tocantinópolis, Roberto Kennedy, acredita que as aulas ofertadas proporcionam esperança aos reeducandos. “As aulas são essenciais para que eles voltem à sociedade munidos de conhecimentos. No ensino prisional, os apenados veem nos estudos uma saída, para se libertar e ter um futuro melhor”, ressaltou.

O reeducando, G.L.S, de 48 anos, que cursa o 1º ano do ensino médio e pretende ingressar em uma universidade, relata que os professores também auxiliam no apoio psicológico dentro da unidade. “Parei de estudar com 12 anos de idade e aqui tive a oportunidade de retomar meus estudos, estou aprendendo muito com os professores. Eles fazem além do trabalho de professor, pois nos apoiam, conversam com a gente e nos tranquilizam”, contou.

Para a professora, Geane Nascimento, que atua no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Palmas, a atuação dos professores vai além da aplicação de conteúdo. “O trabalho desenvolvido vai além do pedagógico, é de motivação para o futuro, para que eles despertem a vontade de estudar e criatividade, além do incentivo a valorização à família. Nós trabalhamos em equipe, também realizamos oficinas, com intuito de gerar aprendizado para questão de renda”, contou.

Dia do Professor

 Comemorado em 15 de outubro, o Dia do Professor tem intuito de homenagear os profissionais da educação e conscientizar a população sobre o importante trabalho desenvolvido por esses educadores. A data faz referência ao dia em que Dom Pedro I instituiu a criação das Escolas Primarias de Letras, em 1827.

Apenas 120 anos depois, em 1947, que a data começou a ser comemorada, como homenagem aos professores, através da sugestão do professor paulista Salomão Becker. A ideia é que fosse dado aos professores um dia de folga, devido ao extenso semestre escolar, a celebração espalhou-se pelo país nos anos seguintes e foi oficializada como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963.

Vitória Soares – Governo do Tocantins 

Inscrições para o Vestibular Unitins 2020/1 se encerram nesta quarta-feira, 16

Inscrições para o Vestibular Unitins 2020/1 se encerram nesta quarta-feira, 16

O prazo para se inscrever no Vestibular 2020/1 da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) está chegando ao fim. Interessados em concorrer às 480 vagas distribuídas nos quatro câmpus da instituição podem se inscrever até às 23h59 desta quarta-feira, 16. O valor da taxa de inscrição é de R$ 120,00 e pode ser pago até o próximo dia 17 de outubro. Para realizar a inscrição, clique aqui.

Das vagas ofertadas, 50% (240 vagas) são para egressos da rede pública de ensino médio, 40% (192 vagas) para ampla concorrência e 10% (48 vagas) são reservadas para o Sisu;. No percentual de escola pública há a reserva de 10% para cotas raciais, atendendo à Lei Estadual 3.458/2019, para candidatos autodeclarados pretos e pardos e oriundos de comunidades indígenas, que tenham cursado o ensino médio integralmente em escolas públicas.

Os câmpus da Unitins estão localizados em Araguatins, Augustinópolis, Dianópolis e Palmas. Os cursos ofertados são totalmente gratuitos e presenciais, sendo: Direito, Enfermagem, Engenharia Agronômica, Administração, Ciências Contábeis, Letras, Pedagogia, Serviço Social e Sistemas de Informação.

A prova do vestibular está marcada para 1º de dezembro e tem novidades em relação aos vestibulares anteriores. Uma das maiores alterações é relacionada às provas objetiva e de Redação. Neste ano, elas serão aplicadas somente no período vespertino, das 13h às 18h pelo horário local.

 As provas serão aplicadas nos quatro municípios onde a Unitins tem unidade.  

Educação inicia comemoração do Dia do Professor

Na programação, palestras, apresentações culturais, sorteios de brindes e sessão de cinema

Motivação, desafios da sala de aula e liderança servidora foram temas das palestras preparadas pela Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) para comemorar o Dia do Professor. A programação está sendo realizada nesta segunda e terça-feira, 14 e 15, no Palmas Shopping, na Capital. A ideia é levar os professores para um ambiente diferente do que ele trabalha, como forma de proporcionar conforto e bem-estar.

Podem participar da programação todos os professores da rede estadual. Nesta segunda-feira, veio uma caravana de Gurupi e, no período da tarde, chegam professores de cidades vizinhas. Além das palestras, os educadores terão momentos de descontração, sessões de cinema, apresentações culturais.

A secretária de Estado da Educação, Juventude e Esportes, Adriana Aguiar, que está participando de todas as palestras, destacou os objetivos das comemorações. “Que o professor olhe para si mesmo e reconheça o quanto é importante o que ele faz e perceba o valor que ele tem para a sociedade”, ressaltou.

Nesta segunda-feira, a consultora Lilian Moema falou sobre Etiqueta Profissional e também ressaltou a importância de conceitos como ética, cooperação e cortesia no ambiente de trabalho. “Precisamos observar o nosso comportamento dentro e fora da escola, aprender a respeitar as diferenças, porque isso gera confiança”, frisou. Lilian destacou a necessidade de se observar a conduta profissional.

A professora Marluce Zacariote abordou o tema As escolas enxergam as juventudes? Desafios do aprender e do ensinar na pós-modernidade. O tema levou os professores a refletirem a complexidade da juventude, que vai além dos marcadores etários. “Precisamos pensar na escola como local de produção de conhecimento e saber quais os elementos que fazem com que os jovens permaneçam na escola”, comentou. Marluce falou da importância de ouvir os jovens, de conhecer o que eles pensam.

Outra palestra que foi bem aplaudida, foi proferida pelo professor e gestor de negócios, Iranilson Mota, que falou sobre A liderança servidora, com uso da metodologia Monge e o Executivo, que reforça a capacidade de servir. Iranilson abordou sobre as renovações metodológicas, o líder de antes gerenciava equipes, atualmente, o líder encontra um equilíbrio entre a gestão e o servir. “Melhorar e permitir transformação requer decisão. Às vezes, precisamos nos retirar para ter foco, para observar de fora e tomar decisões melhores.

O presidente do Fórum Estadual de Educação, Alan Bittar, participou de toda a programação do período da manhã. A Secretaria da Educação preparou painel e exposição de fotos sobre a escola.

Professores – mestres da vida

A professora Nazareth Sapondi tem 28 anos dedicados à educação. Ela passou por todos os níveis do ensino, desde o infantil até o universitário. Já atuou como formadora de professores e, atualmente, está exercendo a docência na educação prisional. “Esta era a área que ainda não tinha passado. O professor precisa se reconstruir, procurar inovar. Pelo que vimos na palestra, que a juventude é formada por várias aldeias, precisamos conhecê-las para ampliar o ensino e a aprendizagem. Acredito na educação como um dos caminhos para se alcançar segurança profissional e pessoal”, ressaltou.

Nazaré nasceu em São Paulo e contou que, nesses dias, em que se aproxima o Dia dos Professores, ficou pensando nos tantos profissionais que passaram pela sua vida. Um desses, Tácito Roberto, que foi o seu primeiro professor. Ele se lembrou dele como uma forma de homenagear os seus docentes.

Aldenizia Rodrigues Tavares e Neuza Rodrigues, que lecionam na Escola Estadual Dr. Waldir Lins, em Gurupi, receberam com entusiasmo a proposta de sair da rotina da sala de aula para refletir o papel do professor. “Trabalho com a língua portuguesa, estou na escola há cincos anos e participar dessa programação nos deixou muito feliz. Vamos voltar com um novo ânimo”, afirmou.

Neuza, que atualmente está na educação prisional, com os seus 21 anos de experiência na educação, conta que parte da vida profissional atuou na Diretoria Regional de Educação de Gurupi, com a supervisão escolar, ajudando a orientar professores. “Amei participar desse momento, nos sentimos mais valorizados”.

Família dedicada à educação

A professora Djandira Luz Viana ficou encantada com o movimento. Hoje aposentada, ela é uma das professoras pioneiras de Gurupi, passou por instituições de ensino pública e privada. O seu amor pela educação foi tanto, que o seu neto, Pedro Luz Viana Júnior, seguiu o exemplo da avó. Ele é professor de Educação Física da Escola Estadual José Seabra Lemos. E Pedro casou com uma professora, Ana Carolina Parente Feire, pedagoga da Escola Militar de Gurupi.

Josélia de Lima/Governo do Tocantins

Aumento do tempo para prova do Enem agrada professores e candidatos

O anúncio do Ministério da Educação de que os candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano terão 30 minutos a mais para fazer a prova de exatas agradou professores e estudantes. De acordo com o edital divulgado na quarta-feira (21), o primeiro dia da prova, que reúne redação e questões de linguagens e ciências humanas, terá cinco horas e meia de duração.

O segundo dia, com questões de ciências da natureza e matemática, terá cinco horas. Até o ano passado, o segundo dia tinha duração de quatro horas e meia.

Para o professor Eduardo Valladares, coordenador pedagógico do curso online Descomplica, a medida será positiva, porque a prova de exatas exige dos alunos muito raciocínio de cálculo. “Ter mais 30 minutos é bastante considerável, pois aumenta em cerca de 20 segundos o tempo para cada questão. Parece pouco, mas isso dá mais conforto para os alunos na hora de passar as respostas para o cartão.”, disse Valladares, que também destacou o fato de o edital ter sido divulgado mais cedo neste ano. “Assim o estudante terá mais tempo para se preparar”.

Coordenador pedagógico do Colégio Mopi, do Rio de Janeiro, Luiz Rafael Silva também considera o aumento do tempo positivo. Segundo ele, essa mudança já deveria ter sido feita em 2017, quando o MEC decidiu agrupar as provas de exatas em um mesmo dia. “Muitos estudantes saíram da prova no ano passado falando que não tiveram tempo de resolver todas as questões”, acrescentou o professor.

Para ele, o aumento do tempo não significa que será uma prova mais difícil, pois o Enem vem mantendo a mesma modelagem e o mesmo nível desde 2009. Luiz Rafael disse acreditar que a ampliação vai beneficiar principalmente os alunos que não sabem gerenciar bem o tempo durante a prova.

Nas redes sociais, muitos estudantes comemoraram as alterações no Enem deste ano. “Que notícia melhor do que ter 30 minutos a mais na prova de Matemática desse ano?”, declarou uma estudante no Twitter.

No entanto, alguns levantaram dúvidas sobre a mudança. “30 minutos a mais na prova de exatas doEnem? Não sei se fico alegre ou triste. Será que a prova vem cabulosa?”, questionou um candidato no Facebook. “Tinha de diminuir o número de questões ao invés de aumentar o tempo. Depois de 3 horas de prova a gente já sai dela sem saber o próprio nome”, disse outro aluno no Twitter.

Estrutura

Assim como em 2017, as provas do Enem deste ano serão realizadas em dois domingos seguidos: nos dias 4 e 11 de novembro. A estrutura também não mudou: no primeiro dia serão aplicadas as provas de redação, linguagens e ciências humanas e, no segundo dia, as de ciências da natureza e matemática.

As inscrições no Enem deverão ser feitas das 10h do dia 7 de maio às 23h59 de 18 de maio deste ano. A taxa de inscrição foi mantida em R$ 82. O pagamento deve ser feito entre os dias 7 e 23 de maio.

Outra mudança anunciada no Enem foi para a isenção da taxa de inscrição. A solicitação de isenção será feita antes do período de inscrição, entre os dias 2 e 11 de abril. Além disso, os participantes que tiveram isenção da taxa de inscrição no ano passado e que faltaram às provas terão de justificar a ausência para fazer o Enem de 2018 sem pagar a taxa.

Confira o cronograma do Enem 2018

Solicitação de isenção – Das 10h de 2/4/2018 às 23h59 de 11/4/2018

Justificativa de ausência – Das 10h de 2/4/2018 às 23h59 de 11/4/2018

Resultado da solicitação de isenção – 23/4/2018

Período de recursos relacionados à isenção – Das 10h de 23/4/2018 às 23h59 de 29/4/2018

Inscrições (para todos) – Das 10h de 7/5/2018 às 23h59 de 18/5/2018

Pagamento da taxa de inscrição – De 7 a 23/5/2018 (Horário Bancário)

Solicitação de atendimento pelo nome social – Das 10h de 28/5/2018 às 23h59 de 3/6/2018

Confirmação do local de prova – Outubro de 2018

Aplicação das provas – 4 e 11/11/2018

Divulgação dos resultados – Janeiro de 2019

* Horário de Brasília – DF

Edição: Armando Cardoso
Sabrina Craide – Repórter da Agência Brasil
 

Araguaína abre ciclo de capacitações para 3ª edição do Selo UNICEF

Representantes de 26 municípios do Norte do País participam do evento; a iniciativa busca progressão das políticas públicas voltadas para a melhoria da vida de crianças e adolescentes.

Araguaína sedia a primeira capacitação do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para os municípios que aderiram ao 3º Selo do programa, correspondente ao período de 2017 a 2020. Mais de 100 técnicos da educação, saúde e assistência social de 26 municípios da região participam da capacitação. A reunião teve início ontem, 15, e continua até às 17 horas de hoje, 16, na sala Smart da Faculdade Católica Dom Orione (Facdo).

Neste ciclo, os gestores e técnicos saberão como funciona o Selo, a metodologia da 3ª edição, os resultados esperados nos municípios participantes, indicadores que serão monitorados, como os municípios serão avaliados e como realizar o 1º Fórum Comunitário.

Araguaína já foi certificada com o Selo UNICEF 2013-2016, por cumprir uma série de ações que possibilitaram melhorias na vida de crianças e adolescentes desde a adesão à iniciativa. Cada município participante deveria pontuar nos três eixos: Impacto Social, Gestão de Políticas Públicas e Participação Social, além da realização de dois fóruns comunitários e do comitê intersetorial municipal, formado por membros das secretarias de Saúde, Educação e Ação Social.

“É com muito orgulho e entusiasmo que Araguaína recebe a UNICEF e representantes de municípios de toda a região Norte do país. Agradecemos a UNICEF por ampliar os nossos horizontes e perspectivas, mostrando que é possível alcançar todos os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) com engajamento e colaboração de todos”, comentou o secretário executivo de Assistência Social, José da Guia.

Araguaína
Dentre as ações desenvolvidas para a melhoria desses índices em Araguaína estão a implantação da Semana do Bebê, Hora do Mamaço, a ampliação do pré-natal nas unidades básicas de saúde (UBS), Programa Esporte e Cidadania, palestras e mobilizações pela erradicação do trabalho infantil e ações de combate à dengue com presença do Exército Brasileiro.

Os trabalhos foram coordenados pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), em parceria com a Prefeitura e a Comissão Municipal Pró-Selo. “A importância do Selo vai além de gratificação, ele é importante também para conseguir recursos, como da Corporação Andina de Fomento (CAF)”, explica o Jhenmerson Rodrigues, diretor de Políticas Setoriais e articulador do Selo UNICEF.

Novos desafios
As novas metas de Araguaína são de fomentação de políticas públicas para jovens. Como a criação do Núcleo de Cidadania do Adolescente (NUCA), que contará com 8 meninos e 8 meninas. “Esse trabalho é importante para inserir o jovem na vida pública. Dando a visibilidade deles para enfrentamentos de desafios do Município”, contextualiza o diretor de Políticas Setoriais.

Outros municípios
Sandra Maria de Sá Pereira é secretária de Educação de Luzinópolis, no Tocantins. Esta é a primeira vez ela participa do evento e já tem ideias para implantar em seu município. “Os projetos ‘Criança foda da escola não pode’ e o ‘Prefeito amigo da criança’ serão colocados em ação em breve.

Flávio Martin
Foto: Marcos Filhos Sandes/Ascom