sáb. jan 16th, 2021

Para Folha, questão do IPTU não deve ser politizada: “é um erro”

Presidente da Câmara declara que tema não pode ser levado pelo viés eleitoral, reforça que Prefeitura quer diálogo com instituições e está aberta a atender qualquer cidadão que notar eventual distorções de seu imposto

O presidente da Câmara de Palmas, José do Lago Folha Filho, se pronunciou sobre a questão do IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano) da capital. Ele reafirmou que a discussão não pode ser encaminhada pelo viés político, defendeu que a gestão está aberta a corrigir possíveis distorções e que o tema já foi discutido amplamente por representantes das mais diversas entidades representativas da sociedade. “Algumas das mesmas entidades que discutem, que se posicionam criticamente ao tema participaram das discussões que definiram a planta de valores, que embasa a definição dos índices do IPTU. Isso tem que ficar claro”, disse. “É um erro tratar esse tema, sério e importante que é, pelo viés eleitoral”, complementou.

Em relação à atualização da planta de valores, Folha se referiu a uma nota técnica distribuída pela prefeitura à imprensa. Nesta nota, a prefeitura informa que a Planta de Valores Genéricos, fato preponderante para definir o índice do IPTU, que foi revisada com participação maciça de entidades. “As entidades estipularam, através de estudos, os valores venais dos imóveis que embasaram os índices aplicados no IPTU deste ano em Palmas”, diz a nota da prefeitura. “As entidades revisaram a planta com o objetivo de estipular valores reais dos imóveis. Isso tem que ficar claro nessa discussão. O valor venal que subiu, foi atualizado e revisado pelas entidades”, comentou Folha.

DIÁLOGO

O presidente da Câmara defendeu que a prefeitura está disposta a participar do diálogo sobre o tema. “Estamos acompanhando esse tema, pela nossa responsabilidade e importância do assunto. Vejo que o Resolve Palmas, por exemplo, está com toda a estrutura disponível para atendimento e disponível para discutir com qualquer cidadão que entender que há problemas nos valores”, comentou.

Folha criticou ainda a carga tributária brasileira e a divisão da arrecadação, que privilegia os governos federal e estaduais. “Os municípios ficam com quase 20% desse bolo, uma divisão injusta. E os impostos, como o IPTU, são vitais para os municípios implementarem as políticas públicas, fazer obras e manter atendimentos de saúde, educação e infraestrutura para a população. E não se pode negar que Palmas honra os impostos pagos pelo contribuinte”, disse.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Decreto do Governo do Tocantins prorroga benefício fiscal para fomentar a economia durante a pandemia

Os contribuintes dos itens constantes nos artigos 3º e 4º do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e...

“Ponto antes era desacreditado, agora está se desenvolvendo com o apoio do poder público”, afirma Wagner Rodrigues

A região da Feirinha, que segue em processo de revitalização e teve a primeira etapa entregue em dezembro de 2020, passa a contar a partir desta sexta-feira, 15, com uma...

Prefeito e vereadores de Aliança serão investigados por promoverem aglomeração

O Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio da 8ª Promotoria de Justiça de Gurupi, instaurou nesta sexta-feira, 15, Inquérito Civil Público com vistas a apurar o suposto ato de...

Renato Jayme assume presidência do Naturatins

Nesta sexta-feira, 15, Renato Jayme da Silva inicia análise e planejamento das ações que serão continuadas em sua gestão à frente da presidência do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). Após...