ter. jan 26th, 2021

Justiça atende pedidos do MPE e determina que Estado mantenha funcionamento regular do Hospital Regional de Dianópolis

a5b1a64d07cdcf82f973c5e00cb8f4c2-width-400O Estado do Tocantins foi notificado oficialmente nesta segunda-feira, 20, sobre a decisão judicial que atendeu aos pedidos do Ministério Público Estadual (MPE), realizados por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Dianópolis, e determinou uma série de medidas para regularizar o atendimento no Hospital Regional de Dianópolis (HRD).

A decisão estabelece prazo de 30 dias para que passe a ser mantida no hospital, durante 24 horas do dia e ao longo de todo o mês, uma equipe composta por um clínico geral, um pediatra, um cirurgião e um anestesiologista, além de enfermeiros, técnicos e equipe de manejo de pacientes críticos.

Também é determinado que o Estado regularize o atendimento da unidade de saúde, implante um laboratório de análises clínicas e apresente um planejamento estratégico com relação à manutenção dos medicamentos, dos insumos hospitalares e da alimentação necessária ao funcionamento da unidade hospitalar.

Foi decidido, ainda, que duas ambulâncias devem ser mantidas em funcionamento e que o Governo do Estado execute a reforma das áreas do hospital que não estiverem em condições seguras para pacientes e servidores.

Em caso de descumprimento da decisão judicial, foi estipulada uma multa diária no valor de R$ 5 mil.

Entenda

Uma Ação Civil Pública foi ajuizada pelo MPE no dia 27 de abril deste ano, em virtude da situação precária em que se encontra o Hospital Regional de Dianópolis. A iniciativa decorreu de denúncias realizadas pela população, pela coordenação técnica do hospital, pelo Conselho Regional de Enfermagem e pelo Conselho Tutelar, relacionadas aos transtornos enfrentados em razão da falta de médicos, da precariedade no atendimento e das condições da estrutura física da unidade.

O Conselho Tutelar denunciou que, em dois dias do mês de abril, não havia médico no hospital e que, inclusive, foi afixado comunicado sobre a ausência de profissionais na porta de entrada da unidade.

Já a coordenação técnica do Hospital Regional de Dianópolis relatou que uma reforma inacabada tem causado transtornos, já que algumas áreas estão interditadas. Também denunciou a insuficiência de médicos, ausência de especialista em ortopedia, cirurgia geral, pediatria e obstetrícia, além da falta de medicamentos, insumos e alimentos para pacientes, acompanhantes e servidores.

Outro problema apontado pela coordenação é a falta de enfermeiros no centro cirúrgicos e no pronto-socorro em alguns períodos de funcionamento. Além de ser em número insuficiente, estes profissionais estariam atuando como auxiliares de cirurgia e como maqueiros, conduta que está em desacordo com a legislação.

João Lino Cavalcante

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Mais 5.400 doses da Coronavac chegam ao Tocantins

O Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), recebeu na madrugada desta terça-feira, 26, mais 5.400 doses da vacina Coronavac. Os imunizantes serão distribuídos, integralmente,...

Antonio Andrade prestigia posse da nova defensora pública estadual

O presidente da Assembleia Legislativa, Antonio Andrade (PTB), participou, na manhã desta segunda, 25, da sessão solene de posse da defensora pública geral do Tocantins, Estellamaris Postal. Ela assume a...

Governador Carlesse prestigia posse de nova defensora pública-geral

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, participou na manhã desta segunda-feira, 25, na Assembleia Legislativa do Tocantins (Aleto), da sessão solene de posse da defensora pública Estellamaris Postal...

Palmas: CIBS é acionada e resgata corpo de jovem afogado na Praia dos Buritis

Após duas horas ininterruptas de buscas, bombeiros militares localizaram e resgataram o corpo de um rapaz morto por afogamento na tarde deste domingo, 24, na Praia dos Buritis, região sul...