sáb. jan 23rd, 2021

JOAQUIM LEVY DIZ ACREDITAR EM REEQUILÍBRIO DA ECONOMIA SEM PARADA BRUSCA

942467-fazenda_banco central-12O novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse nesta segunda-feira, 5, que a evolução da economia brasileira vai depender da velocidade da resposta da economia de modo geral. “Vínhamos em um processo de desaceleração e é evidente que aquilo estava esgotando um pouco a capacidade de reação. Vamos dar espaço para respirar”.

A economia brasileira, observou, tem muita resiliência. “Não acredito em parada brusca. Vamos ter reequilíbrio”, afirmou em sua primeira entrevista coletiva à imprensa, concedida após a cerimônia de transmissão de cargo.

O novo titular da pasta reforçou o que disse em seu discurso no Banco Central quanto à necessidade de promover um ajuste fiscal e controlar os gastos públicos. Citou as recentes medidas anunciadas para melhorar o perfil das despesas, como as mudanças no pagamento do seguro-desemprego e das pensões.

“São ajustes importantes que vão trazer não só economia, mas serão também favoráveis à própria dinâmica do mercado de trabalho”, completou.

Joaquim Levy acrescentou que eventualmente poderão ser feitos ajustes na receita de forma a gerar poupança e apontar na direção dos investimentos, porém o foco será no controle de gastos. “”O ajuste essencial para a economia funcionar bem é ter um controle das despesas públicas de tal maneira que não sejamos forçados a aumentar a carga tributária de forma sistemática”,” apontou.

Na visão do ministro, só é possível estabilizar a carga tributária na medida em que o gasto público tiver uma trajetória confortável e que facilite o crescimento da economia. ““A nossa estratégia vai ser sempre a parte do ajuste fiscal e medidas que deem flexibilidade e agilidade à economia dando confiança para os investidores””.

Ele acrescentou que a confiança na situação fiscal tem impacto no custo do financiamento da dívida pública, já que os juros de longo prazo tendem a cair quando há credibilidade na política econômica. Além disso, afirmou Levy, a harmonização da tributação e dos mecanismos de investimentos facilita a diversificação da base de investidores.

Em fala alinhada com o discurso da presidenta Dilma Rousseff, Levy voltou a defender o fim do sistema patrimonialista. ““O Brasil tem maturidade para mais empresas tomarem risco. Quando você acha que todo mundo tem chance, todo mundo entra no jogo””, disse.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Campos Lindos recebe cestas básicas adquiridas com emendas do deputado Eduardo Siqueira

A distribuição de cestas básicas, às famílias de baixa renda impactadas pela pandemia tem sido constante, em vários municípios tocantinenses. O deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (DEM), sempre está atento ás demandas da...

Brasil paga à Índia mais que o dobro que países europeus pela vacina da AstraZeneca

Brasil e África do Sul pagam à Índia um valor duas vezes e meia maior que os países europeus pelas vacinas da AstraZeneca produzidas no Instituto Serum. A informação foi publicada nesta...

Bombeiros localizam corpo de homem desaparecido no Rio Lontra

A equipe de mergulhadores do 2º Batalhão de Bombeiros Militar, sediada em Araguaína, localizou e recuperou o corpo do pescador Nilton César Moreira, 45 anos. Ele havia desaparecido no Rio...

Caminhão e moto pegam fogo em ocorrência atendida pelo CBMTO

Um casal morreu no início da manhã desta quinta-feira, 21, no interior do município de Wanderlândia, no norte do Tocantins. Era por volta das 7h20, quando o Corpo de Bombeiros...