Presidentes da Câmara de Araguaína se calam sobre gastos exorbitantes no fim de ano

A presidência da Câmara de Vereadores de Araguaína ainda não se pronunciou sobre a previsão de gatos da casa para este fim de ano. Em matéria publicada ontem à tarde, o portal omelhordaamzônia destacou os dados contidos no portal da transparência da casa, que apontam gatos altos com equipamentos de luxo. 

Apenas em dois contratos já firmados, a Câmara está gastando R$ 46 mil com a empresa Visual Sistemas Eletrônicos LTDA na obtenção de 5 televisores LED, computadores, terminais biométricos e outros equipamentos eletrônicos. Isso sem contar outros cinco contratos com a Visual Sistemas Eletrônicos LTDA, que juntos somam R$ 130 mil reais. Em outro contrato com empresa Trivale Administração o contrato atinge R$ 150 mil.

Uma fonte revelou ao omelhordamazônia que a Câmara municipal pretende gastar R$ 1 milhão até fim de ano. Até o momento nem o presidente licenciado, o vereador Marcus Marcelo (PR) e nem o presidente em exercício, o vereador Ferreirinha (MDB), se manifestaram sobre o assunto.

Por Geovane Oliveira 

Vereador denuncia suposta alienação da câmara de Araguaína com executivo municipal

O político Carlos Silva denunciou o fato de vereadores votarem projetos somente após telefonemas do prefeito, Ronaldo Dimas.

O vereador Carlos Silva chamou de manobra da casa o fato de terem colocado um projeto em votação de forma repentina. De acordo com ele, os colegas de comissão teriam três dias para fazer o parecer de uma emenda modificativa. “Porém, simplesmente, paramos a sessão por uma hora a mando do prefeito. Um absurdo”, denunciou o político durante sessão do dia 7 de novembro.

As críticas do vereador foram feitas durante a votação do projeto de lei que propõe alterações na legislação sobre o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). A proposição do executivo municipal prevê novas taxas no valor de até R$ 1.522,82, que serão cobradas de empresas prestadoras de serviços no aeroporto da cidade.

As críticas foram direcionadas a todos os parlamentares araguainenses, em destaque o presidente da Câmara Municipal em exercício, Ferreirinha (MDB), o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Delan (PSDB). Ferreirinha foi o responsável por colocar o projeto na pauta de repente e Delan teria feito um parecer relâmpago. Os dois vereadores, no entanto, se defenderam das acusações e disseram que a matéria entrou em votação conforme regimento legal da casa.

Para o Observatório de Araguaína, 91% das matérias aprovadas no ano passado não têm nenhuma relevância na vida do cidadão. “A gente percebe gasto e custo altos para manter um vereador anualmente. Nós fizemos um levantamento e constatamos uma grande produção de requerimentos com pouco impacto e uma pequena produção de leis”, destacou o presidente da instituição, Ronaldo Dias, em relatório divulgado recentemente pelo observatório.

A Câmara Municipal é a sede do Poder Legislativo. A divisão de poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) é feita pela Constituição Federal. Portanto, a Casa, no exercício de função legislativa, participa da elaboração de leis de interesse do município. Principalmente, deve atuar com independência do poder executivo municipal. Mas por trás disso há muitas notícias de casos que envolvem propinas, empregos a amigos e familiares. Por isso, cabe à população fiscalizar os trabalhos dos parlamentares e, se constatar irregularidades, denunciá-las à Justiça.

Por Geovane Oliveira 

Eduardo Madruga busca por apoio para concorrer à presidência da ATM

O Prefeito de Wanderlândia, Eduardo Madruga (PSDB), teve um encontro com o governador reeleito Mauro Carlesse (PHS) e com o senador eleito Eduardo Gomes (Solidariedade) durante a semana que passou.

O atual vice-presidente da Associação Tocantinense de Municípios (ATM) levou ao Governador várias demandas da cidade de Wanderlândia. No encontro também foram discutidas demandas sobre a eleição da ATM, que acontecerá no início de 2019. 

Madruga comentou que tem interesse em concorrer ao cargo de presidente da Associação e espera ter o apoio de Carlesse.

Em 2016, o prefeito chegou a lançar candidatura, mas acabou compondo com o atual presidente, Jairo Mariano (sem partido). Uma troca de apoio. O compromisso agora é Madruga receber o apoio da atual presidência da ATM.

O setor do agronegócio de Araguaína sonha em ter um representante nas eleições de 2020

A cidade de Araguaína é hoje a líder do setor do agronegócio no estado. Ela conta com seis frigoríficos de grande porte: Minerva, Boi Brasil, Boi Forte, Grupo JBS/Friboi e matadouro público Municipal. O frigorífico Minerva, maior produtor e exportador de carnes do Tocantins, tem hoje capacidade de abate de 800 cabeças de gado por dia.

As indústrias do setor impulsionam a arrecadação do município, a geração de emprego e a renda das famílias araguatinenses, mas nem sempre têm o apoio necessário do poder público.

Entre os pecuaristas, já se fala que o setor do agronegócio deve apresentar um nome para concorrer nas eleições municipais em 2020. O presidente do Sindicato Rural, Roberto Paulino, é bem-conceituado entre os empresários do setor, que não descartam a possibilidade de ele concorrer à prefeitura de Araguaína.

Nas últimas eleições, Roberto recebeu vários convites para ser candidato a vice-governador, deputado federal e, até mesmo, senador, porém ele recusou-se a disputar esses cargos. Quem sabe ele não mude ideia e decida concorrer ao cargo de prefeito de Araguaína.

Por Geovane Oliveira 

Polícia Civil paulista apreende milhões de reais em bens a partir de investigações da Polícia Civil do Tocantins

A Polícia Civil de São Paulo, com apoio da Polícia Civil do Estado do Tocantins, deflagrou, nesta quarta-feira, em São Paulo, mais uma fase da Operação “Ostentação”, que resultou na prisão de um indivíduo de iniciais P.H.B, de 24 anos, e na apreensão de vários carros de luxo, grande quantia de dinheiro em espécie, jóias de alto valor, dentre outros itens.

Na ação, os policiais civis cumpriram oitos mandados de busca e apreensão e um de prisão contra suspeitos de envolvimento com o esquema criminoso que pode ter movimentado algo em torno de R$ 400 milhões de reais e feito inúmeras vítimas em várias unidades estados do Brasil.  

Conforme a delegada Milena Lima, titular da Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), a operação Ostentação teve início no Estado do Tocantins, com base nas investigações da delegacia especializada de Palmas, que descobriu o conjunto de fraudes eletrônicas responsável pela aplicação de centenas de golpes em correntistas no Tocantins, Goiás e vários outros estados brasileiros.

“No dia 8 de maio de 2018, nós deflagramos a operação Ostentação visando a dar cumprimento a mandados de prisão e busca e apreensão contra indivíduos que eram suspeitos de integrar a associação criminosa que agia no Tocantins e também no Estado de Goiás, lesando clientes de bancos, por meio de aplicativos de internet”, ressaltou Milena. 

As investigações da Polícia Civil do Tocantins demonstraram que os golpes eram engendrados por meio de aplicativos de celular, com a invasão de contas bancárias de clientes e subtração de grandes quantias em dinheiro, transferidas para contas fantasmas e de “Laranjas”. Alguns dos alvos da investigação tinham estreita conexão com o Estado de São Paulo, o que levou à intensificação das ações e possibilitou que a Polícia Civil de São Paulo pudesse dar continuidades às ações da Ostentação.

“À medida que as investigações foram avançando, descobrimos que a quadrilha tinha ramificação em outras unidades da federação e que o centro de comando das ações criminosas ficava no estado de São Paulo e, por isso, compartilhamos informações com a Polícia Civil daquele estado, resultando na deflagração da segunda fase da operação, nesta quarta-feira”, disse a delegada.

Ainda segundo a delegada, a operação recebeu este nome em alusão ao estilo de vida que os golpistas levavam às custas dos crimes praticados contra correntistas. Somente na ação desta quarta-feira, os policiais civis paulistas apreenderam veículos das marcas Ferrari, Lamborghini, Masserati, Porche e Audi, avaliados em mais de R$ 1 milhão de reais cada, totalizado mais de R$ 20 milhões de reais.

Além disso, o chefe da organização criminosa era conhecido por levar um estilo de vida de padrão altíssimo, com a aquisição de roupas e joias de grifes famosas, bem como de ser apontado como um dos maiores locadores de helicópteros e jatinhos de São Paulo.

No Tocantins, a Polícia Civil intensificará as ações da Operação, a fim de identificar mais vítimas da organização criminosa e localizar os responsáveis pelas fraudes.

Rogério de Oliveira/Governo do Tocantins

Prefeito de Miracema é encontrado morto

O prefeito de Miracema do Tocantins, Moisés Costa da Silva (MDB), conhecido como Moisés da Sercon, foi encontrado morto na tarde desta quinta-feira (30). Segundo funcionários do município, ele estava em Miranorte e dispensou a escolta policial que sempre o acompanha para fazer uma visita ao prefeito Antônio Carlos Martins (MDB). As cidades são vizinhas.

Isso aconteceu por volta das 11h. Os funcionários e a escolta ficaram aguardando Moisés Costa em um posto de combustíveis, mas ele não retornou. Ainda não foi confirmado se ele chegou a falar com o prefeito de Miranorte.

O corpo foi localizado horas mais tarde dentro da caminhonete dele em uma rodovia que liga Miranorte a Rio dos Bois. A Polícia Militar informou que ele estava sentado dentro da caminhonete e que tinha uma marca de tiro na cabeça.

Um revólver 38 também foi encontrado com a vítima. A perícia foi chamada para o local.

Moisés Costa da Silva tinha 44 anos, era empresário e se candidatou a um cargo público pela primeira vez em 2016. Ele foi eleito com 84% dos votos válidos e estava no primeiro mandato.

Por G1 Tocantins

Adir critica incoerência de Halum: “Ele se esqueceu que sua campanha em 2010 foi sub judice?”

“Cabe ao parlamentar, no campo político, antes de se manifestar avaliar que todos os cidadãos que estejam com seus direitos políticos e não tenham nenhum impedimento no que se refere à elegibilidade podem concorrer”, disse o presidente do Podemos em apoio a Carlos Amastha.

O presidente regional do Podemos no Tocantins, Adir Gentil, criticou o que classificou de incoerência do deputado federal Cesar Halum seu posicionamento sobre apoio na eleição suplementar do dia 3 de junho no Tocantins. Halum afirmou que não apoiará candidaturas que estão sub judice no pleito que escolherá o substituto do governador Marcelo Miranda, cassado pela Justiça Eleitoral por crime de caixa 2 na campanha de 2014.

“O deputado federal César Halum é, no mínimo, incoerente. Será que ele se esqueceu que em 2010 sua campanha toda ficou sub judice?”, afirmou Gentil.

Adir Gentil lembrou que o deputado federal César Halum conseguiu o registro definitivo apenas em 9 de novembro de 2010, um mês antes da votação. O julgamento foi o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Conforme a denúncia do Ministério Público Eleitoral, Halum se enquadrava na Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/2010) “em razão de condenação por crime contra o patrimônio público”.

Ainda conforme a denúncia, Halum foi condenado em ação penal por suposta apropriação indébita de recursos previdenciários. “Estaria, portanto, de acordo com o MPE, inelegível com base na alínea “e”, do inciso I, do artigo 1º da Lei Complementar 64/90 (Lei das Inelegibilidades), com as mudanças nela introduzidas pela chamada Lei da Ficha Limpa”, informou na época a Procuradoria da República no Tocantins (confira o link abaixo).

“As instituições existem para desempenhar bem o seu papel. Vimos neste caso que houve a denúncia do MPE, que foi rejeitada pelo TSE. Cabe ao parlamentar, no âmbito político, antes de se manifestar avaliar que todos os cidadãos que estejam com seus direitos políticos e não tenham nenhum impedimento no que se refere a elegibilidade podem concorrer”, disse Adir Gentil, reforçando a condição do ex-prefeito de Palmas, Carlos Amastha, de se candidatar ao pleito de 3 de junho.

Redação 

Confira aqui a denúncia contra Halum: http://cimpf.pgr.mpf.mp.br/noticias/noticias_new/noticias/noticias-do-site/copy_of_criminal/prr-1-denuncia-deputado-estadual-de-tocantins

Analista político pondera que governador Marcelo Miranda está ‘Entre a cruz e a espada’

O analista político Geovane Oliveira adverte que a situação política do governador Marcelo Miranda tonou-se   bem complicada neste momento. No enfoque apontado por ele, embora o governador conte com uma vasta experiência política e também com a máquina admirativa, poderá   passar por um processo eleitoral muito amargo e doloroso.

Do ponto de vista do analista político, Geovane, há situações que podem complicar a “vida” do governador na política do estado do Tocantins nas eleições de 2018, como  uma suposta delação premiada do empresário Rossine Aires Guimarães,   que estaria preste a ser homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), e que envolveria o nome  do governador. A possível delação pode vir à tona bem próximo ao período eleitoral.  Essa possibilidade estaria deixando os ‘Marcelistas’ e o próprio governador de ‘cabelos arrepiados’ devido ao estrago que isso causaria em sua eventual   campanha e na de seus aliados.  Se caso o governador renunciar ao mandato para concorrer a uma vaga no senado, ele ficaria sem imunidade. Portanto, dependo   do que a delação revelar, se realmente o governador estiver envolvido em crimes, juntamente com o empresário Rossine, ele pode até mesmo   ser preso durante o processo eleitoral.

Por outro lado, se o governador permanecer no cargo e disputar a reeleição, enfrentará grandes dificuldades para se reeleger, devido a alta taxa de rejeição, somada a delação premiada. Ou seja, mesmo que ele não seja preso, devido a imunidade que o mandato de governador lhe assevera, essas adversidades podem fazer um estrago muito grande em sua possível campanha, dependendo do grau de envolvimento de seu nome no escândalo.

 Se, no entanto, ele não concorrer a nenhum cargo no   final do mandato, fica sem imunidade, e, portanto, pode ser preso.  Desse modo, constata-se que ele se encontra em uma situação muito complicada no momento. Como diz o velho ditado, o governador encontra-se ‘Entre a cruz e a espada’.

Para um especialista político, Kátia Abreu “atira com bate-bucha emprestada”

Segundo análise feita pelo especialista político Geovane Oliveira, a senadora Kátia Abreu, pré-candidata ao governo do estado do Tocantins nas eleições 2018, atira com “espingarda bate- bucha emprestada”.

 Segundo Geovane, para ser candidato ao governo do estado, antes de mais nada, é preciso ter um partido político “nas mãos”. Provavelmente hoje ela não tem, em virtude, do governador Marcelo Miranda ser também filiado ao PMDB. Embora ela possa mudar de partido até seis meses antes das eleições estaduais, será muito difícil formar grupo para disputar as eleições.

O especialista político também analisa o fato da senadora Kátia Abreu ter como principais aliados políticos em   Araguaína assessores do senador Vicentinho Alves; vereadores que são da base do prefeito Ronaldo Dimas e até mesmo secretário deste, que em tese são aliados do governo do estado. Supõe-se que isso possa estar se repetindo em outras regiões do estado. Dessa forma, ela faz reuniões, “atira para um lado e para outro”, mas, com “bate-bucha emprestada”.

 

Varias atraçoes musicais se apresentaram durante o estival Cultura Popula de Araguaína

Dez atrações musicais se apresentaram durante os dias 19 e 20 de dezembro , no Festival Cultural Popular de Araguaína, realizado no Olímpia Shows. Entre elas , Forró de Mel; Henrique e Cristiano ; Embalo do forró ; Cicinho . Com; Odilon Santos; entre outras atrações musicais.
O evento teve o apoio do governo do Tocantins , com intuito de promover e incentivar a cultura na cidade de Araguaína. De acordo com os organizadores, cerca de 10 mil pessoas passaram no local durante as duas noites.
Para a jovem Ana Maria, o evento foi um sucesso: “Eu gostei muito do evento. Ele teve uma boa estrutura, com várias atrações musicais diversificadas.
Os organizadores estão de parabéns pela belíssima festa. Espero que esse evento se repita num futuro bem próximo”, disse ela.