dom. fev 28th, 2021

Ásia-África: Moçambique defende uma ONU mais adaptada ao mundo moderno

downloadO ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, Oldemiro Baloi, defendeu hoje (23), durante discurso na Conferência Ásia-África, em Jacarta, que a Organização das Nações Unidas (ONU) deve sofrer uma reforma para se adaptar ao mundo moderno.

Perante os 105 representantes de países africanos e asiáticos, o chefe da diplomacia moçambicana considerou que este ano, no qual se assinala o 70º aniversário da ONU, é tempo de ampliar o Conselho de Segurança e torná-lo mais representativo.

“Os métodos de trabalho do Conselho de Segurança devem ser alvo de uma reforma, para este organismo se adaptar ao mundo moderno”, reforçou.

O Conselho de Segurança é composto por 15 membros, sendo cinco permanentes e com poder de veto – Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China – e os demais eleitos para mandatos de dois anos. Os países asiáticos e africanos reunidos em Jacarta querem alterar as regras.

Oldemiro Baloi considerou que os princípios que marcaram a Conferência de Bandung em 1955 – a luta contra o domínio das principais potências mundiais e a defesa da independência, da paz e da prosperidade econômica nas duas regiões – são ainda atuais.

Neste sentido, elogiou a declaração de apoio à independência da Palestina, que deve ser hoje aprovada pelos líderes presentes no encontro, frisando que tal ato representa uma “mensagem clara do apoio inequívoco” do grupo à causa da autodeterminação do Saara Ocidental.

“Estamos agora confrontados com desafios complexos para alcançar o crescimento econômico, o desenvolvimento social, como a paz e a estabilidade”, alertou, defendendo um reforço da Cooperação Sul-Sul.

O líder moçambicano defendeu que a Ásia e a África devem ter um papel mais importante na procura de soluções sustentáveis para os desafios globais e elogiou a ideia da Indonésia de criar um Centro Ásia-África e um fórum empresarial que una os dois continentes.

“Os investimentos diretos estrangeiros e maior acesso ao mercado para os países africanos é de extrema importância” para apoiar o desenvolvimento socioeconômico e “criar um ambiente propício para a implementação dos objetivos de desenvolvimento sustentável,” disse.

Baloi ressaltou que o “mecanismo financeiro para infraestruturas e setores da agricultura constitui um desafio para os nossos esforços de desenvolvimento”, sendo, por isso, necessário “identificar fontes de financiamento alternativas para desenvolver o Sul”.

O chefe da diplomacia defendeu um aumento da transferência de tecnologia entre os países.

Além dos países asiáticos e africanos, representações de 15 nações, na qualidade de observadores, e de 17 organizações internacionais participam da conferência, que também lembra o 10º aniversário da Nova Parceria Estratégia Ásia-África.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Variante brasileira do SARS-CoV-19 aumenta 10 vezes a presença do vírus em adultos, aponta Fiocruz

Pesquisadores da Fiocruz fizeram um estudo que aponta que adultos infectados pela variante P.1 do novo coronavírus, identificada primeiro no Amazonas, têm uma carga viral dez vezes maior do que...

Prefeitura de Colinas publica novo decreto; Toque de recolher, das 22h as 6 horas

A população de Colinas do Tocantins (TO) deve ficar atenta às novas medidas para conter o avanço do Coronavírus. A Prefeitura, por meio da Secretar vc ia de Saúde, publicou...

Prefeitura de Gurupi decreta novas medidas contra Covid-19

A Prefeitura de Gurupi publicou, na noite desta sexta-feira (26), um novo decreto com medidas mais restritivas em relação à Covid-19.  O documento de nº 466, publicado no Diário Oficial...

Multidão se aglomera sem máscara durante inauguração de bar em Araguaína

Festa foi realizada no dia em que a cidade passou a contabilizar 21.075 diagnósticos de coronavírus e 270 mortes pela doença. Um bar inaugurado na noite desta sexta-feira (27) em...