qua. jan 27th, 2021

Kátia Abreu é alvo do assédio de vários partidos

A senadora já teria recebido vários convites de outras siglas para se filiar: PSDB, PDT, PSD, PSB e PR já demonstraram interesse em tê-la

A Comissão de Ética do PMDB encaminhou nesta quarta-feira, 16, pedido para suspender temporariamente a senadora Kátia Abreu das atividades partidárias. Ela é alvo de um pedido de expulsão do partido e o pedido deve ser analisado pela Executiva da sigla. Não estando mais no mesmo partido que o governador Marcelo Miranda, seu correligionário, a senadora poderá estar livre do PMDB para concorrer ao governo do Tocantins. A primeira pesquisa Ibope realizada mostrou seu nome como forte candidata ao comando do Palácio Araguaia.

Conforme a revista Veja, a senadora já teria recebido vários convites de outras siglas para se filiar: PSDB, PDT, PSD, PSB e PR já demonstraram interesse em tê-la. Mas Kátia ainda não se manifestou sobre que novo caminho escolherá.

A favor do PSD conta o fato dela já ter sido do partido, antes de migrar para o PMDB. Além disso, seu filho, o deputado Irajá Abreu, faz parte da sigla. O PR do senador Vicentinho Alves tem três das cinco maiores prefeituras do Tocantins e em 2018 ele será candidato à reeleição no Senado. Já o PSB é liderado por Carlos Amastha, prefeito de Palmas, que também pode ser um candidato à disputa pelo governo.

Situação do PMDB

O motivo apontado pelo partido para a expulsão de Kátia foi que ela feriu, na opinião dos nove membros do colegiado, a ética e a disciplina partidária, com críticas à legenda, a Michel Temer e por ter votado contra matérias defendidas pelo governo.

O pedido de expulsão atendeu a uma representação do diretório regional do Tocantins. Para a acusação, ao discursar contra a aprovação da Reforma Trabalhista e criticar peemedebistas como o governador do Tocantins, Temer e Romero Jucá, a parlamentar promoveu “afronta ao partido”.

Em sua defesa, Kátia indicou 24 testemunhas, entre elas políticos do Tocantins. A senadora lembrou que a legenda não propôs nenhum tipo de punição a filiados condenados por crimes graves, como corrupção e formação de quadrilha. No documento, Kátia citou políticos do partido que têm enfrentado problemas de ordem criminal, sendo que alguns já foram condenados e presos – como o ex-deputado Eduardo Cunha e o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. “Até mesmo o presidente da República foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República”, lembra. O partido, porém, não questionou a conduta de nenhuma desses filiados.

t1noticias.com.br/

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Mais 5.400 doses da Coronavac chegam ao Tocantins

O Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), recebeu na madrugada desta terça-feira, 26, mais 5.400 doses da vacina Coronavac. Os imunizantes serão distribuídos, integralmente,...

Antonio Andrade prestigia posse da nova defensora pública estadual

O presidente da Assembleia Legislativa, Antonio Andrade (PTB), participou, na manhã desta segunda, 25, da sessão solene de posse da defensora pública geral do Tocantins, Estellamaris Postal. Ela assume a...

Governador Carlesse prestigia posse de nova defensora pública-geral

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, participou na manhã desta segunda-feira, 25, na Assembleia Legislativa do Tocantins (Aleto), da sessão solene de posse da defensora pública Estellamaris Postal...

Palmas: CIBS é acionada e resgata corpo de jovem afogado na Praia dos Buritis

Após duas horas ininterruptas de buscas, bombeiros militares localizaram e resgataram o corpo de um rapaz morto por afogamento na tarde deste domingo, 24, na Praia dos Buritis, região sul...