Lockdown decretado por Wagner expõe fragilidade de sua gestão, da Câmara e de Dimas

 lockdown decretado por 5 dias pelo prefeito Wagner Rodrigues (SD), em Araguaína, pode não ter servido para conter o avanço da covid-19 no município. Segundo especialistas para se quebrar a linha de transmissão do vírus o lockdown tem que ser de pelo menos 15 dias. Hoje Araguaína vive um caos, a cidade já contabilizou mais de 400 mortes e mais de 30 mil infectados pelo novo coronavírus.

Por outro lado, a medida tomada pelo prefeito de Araguaína pode ter servido para expor a fragilidade dos vereadores de Araguaína, já que durante o lockdown, os parlamentares foram muito criticados, até um vídeo viralizou nas redes sociais, com críticas diretas aos vereadores. Além dos vereadores, outro que pode ter saído com imagem aranhada foi o ex-prefeito de Araguaína Ronaldo Dimas (PODEMOS), pois ao decretar lockdown na cidade, a nova gestão, usou como justificativa o colapso da saúde vivido pelo no município.

Em seguida sugiram as primeiras indagações da população questionando onde foram aplicados os  milhões de reais que o município recebeu durante a gestão do ex-prefeito Ronaldo Dimas. Entre as críticas estão as citações sobre os milhões investidos na UPA da Vila Norte, que deveria ser um centro especializado para tender pessoas com covid-19, mas que hoje está fechada.

O lockdown decretado pelo prefeito Wagner serviu para mostra população de Araguaína sua incapacidade de gerir o município. Já que as medidas não resultariam em uma diminuição dos casos. Sem contar que as medidas foram aplicadas em meio a um feriado prolongando. Iniciando na quarta-feira, passando pela quinta-feira de Corpus Christi, pela sexta-feira facultada, sábado e domingo.

O que pode se perceber é que durante o período das medidas do decreto, tudo ocorreu normalmente. Até o concurso da PM previsto para o último domingo, que ocorreu mediante uma liminar do Governo do Estado.

Por: Geovane Oliveira

Primeira etapa do concurso da Polícia Militar finaliza sem intercorrências

Realizada neste domingo, 6, a primeira etapa do cronograma para o concurso da Polícia Militar ocorreu de forma tranquila, dentro do esperado, sem nenhuma intercorrência em relação à segurança do processo seletivo nos 163 locais durante as cinco horas de aplicação das provas.

Durante uma coletiva de imprensa realizada no final da tarde deste domingo, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Júlio Manoel da Silva Neto e o Presidente da Comissão do Concurso, coronel Marizon Mendes Marques, divulgaram o balanço da realização do certame em todo o Estado e no Distrito Federal. Dos 42.223 candidatos inscritos para concorrer as 950 vagas para o cargo de soldado do quadro operacional, 34,37% não comparecerem aos locais de aplicação das provas. 54,63% dos inscritos para a categoria de praça da saúde não se apresentaram e 60,90% dos candidatos ao quadro de praças músicos também não compareceram no dia da avaliação.

Ainda de acordo com o balanço, ao todo, 32 candidatos foram eliminados nos locais de provas por descumprimento das normas estabelecidas em edital, tais como o uso de celulares e relógios digitais durante a avaliação, ou uso de objetos (canetas, garrafas) confeccionados com material não transparente, mas que no entanto não prejudicaram a aplicação das provas.

Durante as provas foram realizados todos os protocolos de segurança contra a covid-19 com distanciamento entre os candidatos, disponibilização de álcool em gel nos locais de provas e lotação máxima de 50% da capacidade de cada sala.

Para o comandante-geral da PM, a realização do concurso refletirá, em breve, na melhora da segurança do cidadão tocantinense. “A realização do certame ocorreu dentro do previsto, sem ocorrências registradas pela PM nos 163 locais de provas e com esse fim, a primeira etapa foi um sucesso, trazendo de volta a confiança e credibilidade nos concursos realizadas pela Polícia Militar do Tocantins”.

“Com a primeira etapa concluída, agora é seguir com o cronograma da empresa responsável pelo concurso e a Polícia Militar está confiante que realmente teremos um certame tranquilo e que em breve conheceremos nossos próximos guerreiros da PMTO”.

Próximas etapas: 
De acordo com o cronograma de datas prováveis do concurso, a divulgação do gabarito oficial preliminar da prova objetiva e o padrão preliminar de respostas da prova de redação devem ser divulgados no dia 8 de junho a partir das 19 horas. O candidato que tiver interesse na interposição de recursos poderá fazer no prazo do dia 9 e 10 de junho. A divulgação do edital de resultado final na prova objetiva e de resultado provisório na prova de redação ocorrerá no dia 29 de junho.

As datas e os períodos estabelecidos no cronograma são passíveis de alteração, conforme necessidade e conveniência da PMTO e do Cebraspe. Caso haja alteração, esta será previamente comunicada por meio de edital.

Após a divulgação do resultado final da prova objetiva, haverá as novas fases do concurso: exame de capacidade física, avaliação psicológica e por fim investigação social e da vida pregressa, sendo, ao final, divulgado o resultado final do certame e convocados os aprovados para o curso de formação na Academia Policial Militar Tiradentes da PMTO.

Edição: Valdemi Reis

Revisão Textual: Valdemi Reis

Candidatos devem ficar atentos às orientações sobre o concurso da Polícia Militar

Será realizada neste domingo, 06, a prova do concurso público da Polícia Militar do Estado do Tocantins (PMTO). Para que tudo ocorra sem intercorrências, o presidente da comissão do concurso, Coronel Marizon Mendes Marques, falou sobre os preparativos em entrevista à imprensa nesta quinta-feira, 03, no Quartel do Comando Geral (QCG) e alertou aos candidatos sobre a importância de se aterem às últimas informações e às orientações constantes nos editais.

Em decisão publicada nesta quarta-feira, 02, o juiz José Maria Lima deu parecer positivo ao pedido de tutela de urgência ao Estado, permitindo que as provas sejam aplicadas normalmente em cidades que decretaram as medidas restritivas para a contenção da proliferação da Covid-19. “Determino que os municípios não ofereçam resistência, nem impeçam a realização da prova”, decidiu o juiz.

Locais de provas

Foi divulgado na última quinta-feira, 27, os locais de aplicação da prova objetiva e da prova de redação, referente ao concurso para o preenchimento de vagas para o cargo de soldado da PMTO. As provas terão a duração de 5 horas e terão início às 13 horas (horário local). A informação foi divulgada no Diário Oficial Estadual (DOE) no mesmo dia.

Para o candidato, está disponível desde o dia 1º de junho, no eletrônico, https://www.cebraspe.org.br/concursos/ o seu local de realização das provas.

“Desde o dia 1º está disponível aos candidatos o acesso aos locais de prova. Nós chamamos a atenção para que eles observem todas as orientações e os alertas que estão nos editais com relação a chegada com antecedência no local de prova; o cumprimento rigoroso de todos os protocolos de segurança que estão especificados também nos editais”.

“Nós vamos estar monitorando e orientando os candidatos, juntamente com a empresa organizadora. A Polícia Militar está totalmente segura na realização desse concurso, com toda segurança aos candidatos e aos envolvidos nesse evento”.

A prova objetiva e a prova de redação serão realizadas nas seguintes cidades: Araguaína/TO, Araguatins/TO, Augustinópolis/TO, Axixá do Tocantins/TO, Esperantina/TO, Ananás/TO, Arraias/TO, Dianópolis/TO, Natividade/TO, Paranã/TO, Taguatinga/TO, Gurupi/TO, Palmas/TO, Guaraí/TO, Miracema do Tocantins/TO, Miranorte/TO, Paraíso do Tocantins/TO, Pedro Afonso/TO, Porto Nacional/TO e Brasília/DF.

Atenção candidato:

É importante comparecer ao local designado para a realização das provas com antecedência mínima de 1 hora, munido necessariamente de caneta esferográfica de tinta preta fabricada em material transparente, do comprovante de inscrição e do documento de identidade original.

Não será permitido e passível de eliminação do candidato o uso de aparelhos eletrônicos, óculos escuros, lápis, marca-texto, chapéu, boné, qualquer recipiente ou embalagem que não seja fabricado com material transparente, dentre outros acessórios e equipamentos especificados em edital.

Dada a importância da realização do concurso, a Polícia Militar buscou todos os meios legais para garantir que as provas ocorram sem nenhum problema. “Estamos certos, dado o planejamento feito pela Polícia Militar, juntamente com a empresa que vai realizar o concurso, da total segurança com relação a seguir todos os protocolos sanitários e orientações das autoridades de saúde”, esclareceu o coronel Marques.

Medidas contra a covid-19

Por ocasião da realização das provas, e tendo em vista as medidas de proteção à transmissão do coronavírus adotadas pelo Cebraspe, o candidato deverá comparecer ao local de aplicação, usando máscara e portando máscaras reservas, de modo a possibilitar a troca do acessório de proteção facial a cada duas horas. 


A temperatura corporal será verificada no local e o candidato que informar, na data de realização das provas, que acometido pela Covid-19 não poderá realizá-las.

É necessário atentar-se ao distanciamento adequado, conforme demarcação do piso com fita adesiva e respeitar o controle de saída dos candidatos ao término das provas para evitar aglomeração.

O Cebraspe disponibilizará frascos de álcool em gel 70% nas salas e nos locais de circulação, bem como sabão líquido e papel toalha nos banheiros. 

Outras informações a respeito das ações adotadas e dos procedimentos gerais de prevenção do coronavírus nos locais de provas estarão disponíveis no endereço eletrônico www.cebraspe.org.br.

O concurso

O concurso da Polícia Militar do Tocantins oferece mil vagas para soldados, sendo 950 para o quadro de praças policial militar, 25 destinadas ao quadro de músicos, outras 25 para área da saúde, sendo 20 para técnico de enfermagem e cinco par técnico em saúde bucal.

De acordo com o cronograma de datas prováveis do concurso, a divulgação do gabarito oficial preliminar da prova objetiva e o padrão preliminar de respostas da prova de redação devem ser divulgados no dia 8 de junho a partir das 19 horas. O candidato que tiver interesse na interposição de recursos poderá fazer no prazo do dia 9 e 10 de junho. A divulgação do edital de resultado final na prova objetiva e de resultado provisório na prova de redação ocorrerá no dia 29 de junho.

As datas e os períodos estabelecidos no cronograma são passíveis de alteração, conforme necessidade e conveniência da PMTO e do Cebraspe. Caso haja alteração, esta será previamente comunicada por meio de edital.

Edição: Valdemi Silva Reis

Revisão Textual: Valdemi Silva Reis

Decreto de lockdown, 4 dias antes de concurso da PM, pega mal para o Prefeito Wagner

Conforme o boletim epidemiológico do município, divulgado no dia 31 de maio, a cidade   de Araguaína já registrou mais   de 30 mil casos da covid-19 e 405 mortes em decorrência da doença. O boletim também destacou 100% da ocupação de leitos de UTIs e 94% clínicos.

Foi por meio desses números que o prefeito Wagner justificou a sua decisão para decretar lockdown de cinco dias em Araguaína. “Temos feito um trabalho incessante para combater um novo crescimento no número de casos em Araguaína, mas infelizmente temos ainda uma grande parcela da população que não respeita as medidas de segurança, mesmo com a fiscalização constante. Esse endurecimento nas regras está sendo estabelecido para preservar a vida da nossa população, se o número de pessoas infectadas continuar aumentando, não teremos leitos para todos e é preciso que a população entenda a gravidade dessa realidade”, explicou Wagner.

A cidade   de Araguaína já vivenciou um momento mais controlado da pandemia, em comparação ao atual colapso que vive a saúde pública no município. Por conta disso os órgãos   de controle, MPF, MPE e a defensoria pública espediram, em conjunto, naquele momento, uma recomendação para se adotar medidas mais rígidas para conter o avanço da covid -19 na cidade, mas a prefeitura de Araguaína não acatou a recomendação, “Não posso decretar um lockdown, pois posso prejudicar os empregos dos comerciários”, afirmou Wagner na época.

Mas o decreto pegou mal para o prefeito, já que cinco de lockdown não traz nenhuma garantia que o problema de superlotação nos hospitais será resolvido. Sem contar que a medida pode prejudicar o concurso da PM que ocorrerá em quatro dias. O que para algumas pessoas soa como uma postura de briga política contra a gestão governamental.

Por: Geovane Oliveira

Araguaína estabelece lockdown de 5 dias a partir da próxima quinta-feira, 3

O prefeito de Araguaína, Wagner Rodrigues, publicou nesta segunda-feira, 31, um novo decreto municipal determinando o fechamento das atividades não essenciais na cidade pelo período de cinco dias. O lockdown terá início na próxima quinta-feira, dia 3, e terá validade até segunda-feira, dia 7.

De acordo com o prefeito, a medida foi estabelecida após um constante crescimento no número de casos ativos da doença em Araguaína e ocupação total dos leitos de UTI.

“Temos feito um trabalho incessante para combater um novo crescimento no número de casos em Araguaína, mas infelizmente temos ainda uma grande parcela da população que não respeita as medidas de segurança mesmo com a fiscalização constante. Esse endurecimento nas regras está sendo estabelecido para preservar a vida da nossa população, se o número de pessoas infectadas continuar aumentando, não teremos leitos para todos e é preciso que a população entenda a gravidade dessa realidade”, explicou Wagner.


Com o Decreto n° 041/21, publicado no Diário Oficial do Município n° 2.318, fica proibida a circulação de pessoas pelas ruas da cidade, com exceção dos casos de força maior, além de proibida a reunião de pessoas da mesma família que não morem na mesma residência, incluindo também qualquer visita em casas e prédios onde não se resida.

As novas regras também proíbem a entrada e a saída da região metropolitana da cidade, com exceção das atividades essenciais que incluem o transporte de cargas, deslocamento para sedes ou casas rurais próprias e atendimento médico, devidamente comprovados.

Sem aglomerações
Estarão proibidas também, neste período, as aulas presenciais em instituições públicas e particulares de ensino, como também qualquer evento que possa causar aglomerações tanto em áreas públicas, quanto privadas das zonas urbana e rural da cidade, como shows, atividades culturais e confraternizações. A venda de bebidas alcoólicas na cidade também estará vedada, assim como produtos que não sejam considerados essenciais.

Missas e cultos em templos religiosos ficarão suspensos, sendo permitida apenas a celebração e a transmissão virtual, sem a presença de fiéis. Durante o período de vigência do decreto, também foi determinada a suspensão dos serviços de transporte público coletivo.

Lockdown
A medida já havia sido solicitada pelos órgãos de fiscalização como Ministério Público e Defensoria Pública, que durante uma reunião virtual com o prefeito Wagner Rodrigues nesta segunda-feira, 31, reforçaram o pedido de fechamento total das atividades em Araguaína.

Durante a reunião, o promotor de justiça do MPF (Ministério Público Federal), Thales Coelho, falou da importância do fechamento da cidade para o controle da pandemia.

“É preciso que seja tomada essa atitude para que a população entenda a gravidade da situação, muita gente ainda não entendeu que se ficar doente não terá vaga em leito de UTI devido a quantidade de pessoas já nas filas, esperando por uma vaga”, disse Thales Coelho.

A reunião também contou com a participação do Ministério Público Estadual, que destacou a abertura que a Prefeitura de Araguaína tem dado aos órgãos de fiscalização para o diálogo a respeito das medidas de controle da pandemia.


“Com essas medidas nós teremos a esperança de que esse contágio seja barrado e que nós tenhamos condições de dar vazão a esses pacientes que estão aguardando por leitos clínicos e de UTI. Nosso objetivo é que tudo volte à normalidade dentro do possível, mas o momento requer esse sacrifício coletivo e tenho que parabenizar o prefeito Wagner por sempre se mostrar aberto ao diálogo e por adotar essas medidas tão importantes neste momento para proteger a população”, disse a promotora de Justiça Bartira Quinteiro, do MPE (Ministério Público Estadual).


Atendimento presencial
As regras de restrição também valem para o atendimento ao público em casas lotéricas, estabelecimentos bancários, comerciais incluindo bares e restaurantes, além de serviços como escritórios de contabilidade e cartórios. O atendimento ao público ficará suspenso também nas secretarias municipais, com exceção daqueles de caráter essencial ao combate à covid-19.

As vendas remotas que utilizam aplicativo ou por meio do telefone continuarão podendo ser efetuadas com serviço de delivery. Restaurantes e lanchonetes em postos de combustíveis e serviços às margens da BR-153 poderão funcionar desde que mantenham o afastamento de 2 metros entre as mesas e máximo de 4 pessoas por mesa.

Algumas atividades continuam liberadas para atendimento de emergência, como as clínicas, consultórios odontológicos e clínicas veterinárias. Já os laboratórios, farmácias e funerárias seguem liberados desde que obedeçam às medidas de segurança estabelecidas no decreto.

Quanto aos supermercados, açougues e centros de abastecimento de alimentos da cidade, ficará permitido o funcionamento com restrição de entrada no local para apenas um membro do grupo familiar e proibida a venda de bebida alcoólica.

Descumprimento do decreto
A multa para quem for flagrado funcionando irregularmente é de R$ 5.000, podendo também acarretar na suspensão do alvará de funcionamento do estabelecimento comercial por um período de 7 dias. Em casos de reincidência de infração o estabelecimento poderá sofrer a cassação temporária do alvará de funcionamento por 30 dias, além de responder por desobediência à ordem pública.

Além dos estabelecimentos, qualquer pessoa que for flagrada descumprindo as medidas receberá multa que varia de R$ 100 a R$ 1.000 e responderá por crime contra a ordem e a saúde.

Caso algum descumprimento seja identificado, a população pode fazer a denúncia pelo número 190 da Polícia Militar ou pelos telefones da fiscalização municipal: (63) 3411.5640 / (63) 99949.5394 / (63) 99972.6133.

Felipe Maranhão
Foto: Marcos Sandes/Ascom

Suspensão dos pagamentos de financiamentos do Fungetur beneficia empresários do turismo no Tocantins

Os empresários tocantinenses que acessaram financiamento de recursos por meio do Fundo Geral de Turismo (Fungetur) poderão estender em até oito meses o pagamento das prestações. A suspensão dos pagamentos foi autorizada pelo Ministério do Turismo (MTur), que também ampliou pelo mesmo período as carências para início da quitação da amortização dos valores contratados. A medida concede um fôlego aos empreendedores que atuam neste que é um dos setores mais impactados pela pandemia de Covid-19.

O MTur anunciou, ainda, a ampliação dos valores ofertados, passando de R$ 10 milhões para R$ 50 milhões, para obras de ampliação, modernização e reformas de empreendimentos turísticos, bem como capital de giro associado. Já o crédito disponibilizado para aquisição de bens passou de R$ 10 milhões para R$ 30 milhões.

Os recursos do Fungetur podem ser assegurados somente por meio de instituições financeiras credenciadas. No Tocantins, a Agência de Fomento do Estado do Tocantins oferece crédito para micro, pequenas, médias empresas nas três linhas oferecidas pelo Fundo (capital de giro, projetos e financiamento de bens), além de trabalhar com microempreendedores individuais.

“Os prazos previamente estabelecidos visavam que este cenário de crise estaria controlado já no início de 2021, o que não ocorreu. Por isso, o anúncio do Ministério do Turismo é muito bem-vindo, pois dará maior prazo de recuperação econômica aos empreendedores do setor”, comemora o presidente da Agência do Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), Jairo Mariano, que ressalta o trabalho em parceria com a Fomento e a dedicação do governador Mauro Carlesse em atender as demandas dos empresários.

 

“A suspensão dos pagamentos dos contratos do Fungetur foi uma demanda levantada há alguns meses pelas entidades do trade. No Tocantins, a Abav-TO iniciou em fevereiro essa tratativa junto à Adetuc, com o presidente Jairo Mariano”, explica Marcelo Perim, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagem do Estado do Tocantins no Estado e também do Conselho Empresarial de Turismo do Tocantins (Cetur). “As dificuldades que o setor enfrenta ainda são grandes, e essa ação sem dúvida nenhuma será de grande ajuda aos empresários”, completa.

Seleucia Fontes / Governo do Tocantins

Empresário Roberto Paulino entra no radar dos partidos políticos do  estado 

Roberto Paulino é conhecido  na   cidade de Araguaína como empresário, pecuarista e também pela sua obra social junto às entidades filantrópicas, atendendo time  de futebol e famílias carentes  de Araguaína. Porém, ele nunca fez questão de dar publicidade às suas ações sociais junto à comunidade.

Além de empresário e pecuarista, Roberto foi presidente do Sindicato Rural de Araguaína, o maior e mais forte  do estado do   Tocantins, e realizou uma das melhores gestões que a entidade já teve na sua história.

Com um currículo invejável, alguns políticos do estado do Tocantins vêm mantendo no radar o pecuarista e empresário de Araguaína, Roberto Paulino. Os partidos visualizam  nele um grande potencial para disputar uma vaga  no  senado, como candidato a deputado Federal ou mesmo como vice-governador. Provavelmente as legendas devem fazer de tudo para atrair Roberto para seus quadros.

De acordo com uma fonte ouvida pelo “O melhor da Amazônia”, o nome   de Roberto Paulino tem   despertado atenção das licenças estaduais de várias correntes políticas, incluído o governador Carlesse (PSL) e o vice-governador Wanderlei Barbosa (Sem partido).

 Paulino    confirmou que vem mantendo   conversa com algumas correntes políticas   do estado do Tocantins, inclusive  com Wanderlei Barbosa. Porém, está ouvindo  diversas  lideranças estaduais  para   ver quem apresenta o melhor projeto, quem venha atender os asseios   do setor produtivo e   do   comércio do estado para poder definir se vale apena abraça-lo.

Por: Geovane Oliveira

Saúde autoriza imunização da população geral por idade e antecipa vacinação de trabalhadores da educação

O Ministério da Saúde está antecipando a vacinação contra a Covid-19 para os profissionais da educação e já autoriza paralelamente da população em geral por ordem decrescente de faixa etária. A pasta começará a enviar doses aos estados, de forma escalonada, para atender a esse público, juntamente com outros grupos prioritários definidos pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

A motivação da priorização dos profissionais da educação se deve aos impactos sociais ocasionados pela Covid-19 com a necessidade de volta às aulas presenciais. As creches e escolas contribuem não só para a educação de milhares de brasileirinhos como também garantem a segurança alimentar das crianças.

No caso dos profissionais da educação, a orientação é seguir essa ordem de prioridade: creches, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA e, na sequência, trabalhadores da educação do ensino superior.
Para além dos grupos prioritários, entre eles os profissionais da educação, o Ministério da Saúde também inicia paralelamente a vacinação da população geral, entre 18 e 59 anos. Isso porque estados e municípios relataram demanda diminuída dos grupos elencados no plano de vacinação.

Esse grupo poderá começar a ser imunizado de maneira escalonada e por faixas etárias decrescentes, desde que a vacinação dos grupos prioritários restantes seja mantida e cumprida, de acordo com a ordem estabelecida pelo PNO.

As recomendações foram pactuadas na Comissão Intergestores Tripartite (CIT), realizada nesta quinta-feira (27/5), com representantes do Ministério da Saúde, estados e municípios. As orientações também estão em uma nota técnica do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Marina Pagno
Ministério da Saúde

Governo do Tocantins realiza consulta pública para implantação de metodologia militar no Colégio Estadual Duque de Caxias

O Governo do Tocantins realizou nesta quarta-feira, 26, consulta pública para implantação da metodologia militar no Colégio Estadual Duque de Caxias, no distrito de Taquaruçu. Na solenidade, que contou com a presença do vice-governador do Estado do Tocantins, Wanderlei Barbosa, a comunidade aprovou por unanimidade a implantação.

A consulta pública foi realizada após apresentação da proposta para os profissionais da unidade de ensino e para a comunidade. O vice-governador destacou a mobilização dos moradores de Taquaruçu.

“É um desejo da sociedade que se manifestou por meio de uma abaixo-assinado com mais de mil assinaturas, pedindo a implantação da metodologia militar no Colégio Estadual Duque de Caxias. Não tenho dúvida que o trabalho conjunto que será desenvolvido aqui, trará resultados altamente positivos”, explicou.

Ainda de acordo com Wanderlei Barbosa, o projeto traz para Taquaruçu dois elementos essenciais para o desenvolvimento humano.

“Nós teremos aqui polícias reforçando as atividades educacionais e a segurança desse distrito, que é ponto turístico e que recebe pessoas de várias partes do Tocantins e do Brasil”, pontuou.

Conforme explicou a titular da Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), Adriana Aguiar, o trabalho na rede estadual de ensino é realizado de forma articulada.

“A Polícia Militar é uma das grandes parceiras da Educação, não só com a implantação dos Colégios Militares, mas com o Proerd [Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência]. E o que temos vivenciado é um trabalho articulado entre a Educação e a PM. Estou muito feliz em estar aqui, especialmente pelo acolhimento da comunidade”, destacou.

Adriana Aguiar também enfatizou o papel dos discentes no desenvolvimento das atividades dos colégios militares. “Os professores continuam sendo os regentes das salas de aulas. São esses profissionais que têm a formação para essa função, os militares serão parceiros na manutenção da ordem dentro do espaço escolar”, reforçou.

O comandante-geral da Polícia Militar (PM) do Tocantins, Júlio Manoel da Silva Neto, indicou que o papel da PM é somar no processo de administração da unidade de ensino.

“A Educação tem um corpo de profissionais muito capacitado e nós estamos aqui para somar com o trabalho que vem sendo desenvolvido na unidade de ensino. Queremos despertar ainda mais a participação dos pais no dia-a-dia da escola”, ressaltou.



A pedagoga Soranne Alves de Moura Borges, tem uma sobrinha matriculada na unidade de ensino e comemorou a mudança.

“A partir de agora passamos a ter mais confiança em deixar os nossos jovens na unidade de ensino. Sabemos que aumenta a segurança e eu acredito que também melhora muito a disciplina dos alunos. É uma grande conquista para nós”, comemorou.

Colégio Militar

Atualmente, o Tocantins conta com 19 Colégios Militares distribuídos nos seguintes municípios: Araguaína, Arraias, Araguatins, Augustinópolis, Colinas, Dianópolis, Taguatinga, Alvorada, Gurupi, Palmeirópolis, Guaraí, Miracema, Palmas, Cristalândia, Paraíso, Porto Nacional e Pindorama.

Essas unidades de ensino alinham a metodologia da rede estadual à rotina militar, de forma dinâmica, por meio de projetos interdisciplinares nos quais são trabalhados os seguintes temas: valores, drogas,  sexualidade, trabalho, preconceito, saúde, sustentabilidade, família, respeito e valorização à diversidade cultural e étnica.

O Colégio Estadual Duque de Caxias conta com 381 alunos matriculados para o ano letivo de 2021, e oferta do 8º ao 9º ano do ensino fundamental, além de ensino médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA) – Terceiro Segmento. A unidade funciona no período matutino e noturno.

Presenças 

Além da comunidade, também participaram da consulta pública, o deputado estadual Léo Barbosa; o chefe do Estado Maior, Wesley Borges Costa; o vereador Marilon Barbosa; o secretário-executivo da Setas, Tiago Costa; e a diretora Regional de Educação, Juventude e Esportes, Maristélia Alves.

Cláudio Paixão/Governo do Tocantins

CPI da Pandemia aprova reconvocação de Pazuello e de Queiroga

A CPI da Pandemia aprovou nesta quarta-feira (26) a reconvocação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga. Os depoimentos ainda serão agendados.

O retorno de Pazuello vem após a participação do general em ato público em favor do presidente Jair Bolsonaro no domingo (23), no Rio de Janeiro, e depois do depoimento, nesta terça-feira (25), da secretária do Ministério da Saúde Mayra Pinheiro, que contrariou o que Pazuello afirmou na semana passada sobre a crise provocada pela covid-19 no Amazonas. Aos senadores, Mayra afirmou que o ex-ministro da Saúde soube do desabastecimento de oxigênio em Manaus no dia 8 de janeiro. À CPI, Pazuello afirmou que foi informado apenas na noite do dia 10 de janeiro.

Depois do depoimento de Pazuello em dois dias consecutivos (19 e 20 de maio), alguns senadores avaliaram que o ex-ministro mentiu e precisa dar novos esclarecimentos. Humberto Costa (PT-PE), Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) assinam os requerimentos:

“Após declarar, por exemplo, que sempre foi favorável ao uso de máscaras e ao isolamento social, o general da ativa decidiu participar de manifestação convocada pelo presidente sem as devidas precauções diante da pandemia que assola a população brasileira, fomentando atitudes que colocam a vidas das pessoas em risco. Essas e outras mentiras precisam ser esclarecidas”, aponta Randolfe. 

Senadores também aprovaram o retorno do atual ministro da Saúde à comissão. Entre os requerimentos aprovados, estão os dos senadores, Humberto Costa e de Tasso Jereissati (PSDB-CE). Segundo Humberto, o depoimento anterior de Marcelo Queiroga também foi contraditório. 

“O depoimento foi contraditório em diversos aspectos. Um deles diz respeito à afirmação de que, na gestão dele, não há promoção do uso da hidroxocloriquina para tratamento da covid. Todavia, o ministro, até o presente momento, não revogou a portaria do Ministério da Saúde que prescreve o uso da medicação”, aponta o senador por Pernambuco. 

Fonte: Agência Senado