Se Araguaína não eleger César Halhum senador, pode regredir ao longo dos anos

Se Araguaína não eleger César Halhum senador, pode regredir ao longo dos anos

Faltando poucos dias para as eleições, a populações de Araguaína ainda não despertou para o perigo que a circunda de perder a oportunidade de, no dia 7   de outubro    de   2018, eleger um senador oriundo desta cidade.

Nestas eleições,  vários candidatos disputam   duas vagas,  entre eles está o deputado federal César Halum, que tem domicílio  eleitoral  na  cidade Araguaína. Como   deputado federal, César ajudou a viabilizar vários projetos importantes para a cidade de Araguaína, entre eles o da Via Lago, e recentemente articulou uma emenda   de 40 milhões para a cidade de Araguaína.

O que pesa contra Halhum neste momento da disputa pela vaga ao senado, segundo as lideranças políticas, seria simplesmente a falta   de dinheiro para cooptar líderes   como prefeitos e outros. O que falta para César sobra para outros. A grande dúvida dos eleitores é ‘De onde vem tanto dinheiro? ’ e ‘como vai ser pago depois?’ Será que não está na hora dos eleitores pensar   no coletivo e   não   no individual?      

Apensar do governador Mauro Carlesse ter tido uma visão de águia para a cidade de Araguaína transformando-a em um verdadeiro canteiro de obras e desenvolvendo várias ações de governo, as quais têm beneficiado muito a população de modo geral em apenas três meses   de mandato, Araguaína não pode deixar de eleger César Halum senador porque, para que ela continue a desenvolver-se, é preciso que ela tenha alguém que conheça a sua realidade de perto e que a represente.

 Os demais concorrentes, a começar pelo senador Vicentinho, que é de outra região, durante   seu mandato destinou recursos para o estado do Pará. Já o deputado federal Irajá Abreu, que é filho de senadora Kátia Abreu, nunca trouxe nenhum benefício para a cidade de Araguaína. Por isso é importante que a população de Araguaína eleja um candidato que seja filho da mesma cidade, e que almeje o seu crescimento e desenvolvimento, assim como qualquer outro araguaínense.

Por Geovane Oliveira