Polícia Civil e do Gaeco do Ministério Público cumpre 14 mandados de prisão e 10 de busca e apreensão

Polícia Civil e do Gaeco do Ministério Público cumpre 14 mandados de prisão e 10 de busca e apreensão

Em mais uma ação em desfavor do tráfico de drogas, a Polícia Civil do Tocantins, por meio da 1ª Divisão Especializada de Repressão a Narcóticos (1ª DENARC de Palmas) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual, realiza nesta manhã de quarta-feira, 16, a operação Feynman. Estão sendo cumpridos 14 mandados de prisão e 10 mandados de busca e apreensão em cidades do Tocantins e do estado de São Paulo. A operação é um desdobramento de operações de combate ao tráfico de drogas e organizações criminosas que vêm ocorrendo ao longo de 2020.

Além dos mandados que estão sendo cumpridos, a Justiça deferiu o bloqueio de 14 contas bancárias utilizadas pela organização criminosa para lavagem de capitais oriundos do tráfico interestadual de drogas, com alto fluxo de dinheiro, chegando à cifra de milhões de reais, com sistemática própria para ocultação de sua origem ilícita.

O delegado-chefe da 1ª DENARC de Palmas, Enio Walcácer, a operação Feynman decorre de investigações iniciadas ainda no mês de setembro, que tiveram como resultado inicial a apreensão de mais de R$ 100.000 (cem mil reais) de drogas remetidas do estado de São Paulo para o Tocantins e que resultou na prisão de dois envolvidos e na apreensão de um adolescente, na operação denominada “Nexum Carcerem”. Foram 45 quilos de maconha, 500 gramas de cocaína e 500 gramas de crack.

Segundo Enio Walcácer, com a parceria firmada entre a 1ª DENARC de Palmas e o Gaeco foi possível identificar toda a organização criminosa, identificando núcleos de associados que atuavam no estado de São Paulo e faziam remessas de drogas constantes para o Tocantins, bem como o esquema de remessa e lavagem de dinheiro.

Nome da operação

O nome da operação, Feyman, é alusivo ao conceito da Formulação de Feynman (Mecânica Quântica), de que podem existir uma infinidade de trajetórias para se alcançar determinado destino – tal alusão se dá em face da operação em epígrafe não ter obedecido aos ritos rotineiros de onde parte-se da estruturação da rede para as apreensões; uma vez que a trajetória desta operação partiu da apreensão para estruturação da rede

Coordenada pela DENARC E Gaeco, a operação Feynman contou com o apoio da Rotam da Polícia Militar do Tocantins; do Grupo Operacional Tático Especial (GOTE), da Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado (DEIC) de Palmas; da DENARC do estado de São Paulo e da Polícia Civil de São Paulo, seccional de Ourinhos.