sáb. fev 27th, 2021

Pesca e comercialização da piracatinga será proibida até 2020

Suspensão visa proteger botos e jacarés, usados como isca na pesca da espécie

capture-20150104-175940A partir do próximo dia 1º de janeiro de 2015, entra em vigor a moratória da pesca e comercialização da piracatinga em águas jurisdicionais brasileiras e em todo território nacional por um período de cinco anos, com o objetivo de proteger o boto-vermelho, o jacaré-açu e o jacaretinga, utilizados como iscas para captura da piracatinga.

A Instrução Normativa para a moratória foi assinada pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e pelo ministro da Pesca e Aquicultura, Eduardo Lopes.

Durante o prazo estabelecido, ficam proibidas a pesca, retenção a bordo, transbordo, desembarque, armazenamento, transporte, beneficiamento e a comercialização da piracatinga.

A vedação de que trata esta Instrução Normativa Interministerial, entretanto, não se aplica para os seguintes casos: captura com fins de pesquisa científica, desde que devidamente autorizada pelo órgão ambiental competente, e para a pesca de subsistência, para fins únicos de alimentação do pescador e sua família, desde que a captura e o transporte não ultrapassem 5 kg da espécie.

O MPA e o MMA ficarão responsáveis por realizar estudos e avaliações para identificar técnicas e métodos ou alternativas produtivas ambiental, econômico e socialmente viáveis e sustentáveis para o exercício e controle da atividade pesqueira da piracatinga. O MMA avaliará, ainda, os efeitos da moratória para a recuperação das espécies de botos e jacarés.

Sabe-se que a preferência pelos botos e jacarés deve-se à elevada eficácia das iscas feitas com carne desses animais na captura da piracatinga e ao baixo custo na obtenção de iscas. Os caçadores vendem cada boto ou jacaré por até R$ 50,00, que são transformados em iscas em quantidade suficiente para a pesca de 300 a 600 quilos da piracatinga, o que representa até R$ 600,00 de rentabilidade em uma noite de pesca.

Estima-se que, anualmente, são mortos até 7 mil botos-vermelhos para uso na pesca do piracatinga. Essa quantidade está bem acima da taxa natural de mortalidade, estimada em 16 animais ao ano. O uso do boto-vermelho na pesca tem contribuído para a redução de cerca de 10% ao ano das populações nativas do mamífero, colocando o animal em risco de extinção.

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Homem é preso pela Polícia Civil após ser flagrado com mais de 100 kg de maconha no carro

Em mais uma ação em desfavor do tráfico de drogas, a Divisão Especializada de Repressão a Narcóticos da Polícia Civil (1ª DENARC – Palmas) e o Grupo de Atuação Especial...

Governador Mauro Carlesse lança PMTO Mobile e preside passagem de comando no 4° BPM de Gurupi

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, lançou na tarde de quinta-feira, 25, em Gurupi, o sistema de tecnologia PMTO Mobile, que visa dar maior agilidade ao atendimento policial no...

Educação estima que mais de 3 mil crianças não estão matriculadas em Araguaína

Mais de três mil pais ainda não matricularam seus filhos em Araguaína, de acordo com levantamento realizado pela Secretaria da Educação. As escolas e creches municipais de Araguaína retornaram às atividades, no...

Prefeito Neurivan Rodrigues busca recursos em Brasília junto aos deputados federais

Com objetivo de viabilizar recursos para realizar obras no município de Carmolândia a fim de melhorar a qualidade   de vida da população, o prefeito Neurivan Rodrigues está em Brasília em...