Datafolha: 70% dos brasileiros querem vacina obrigatória; número é recorde

Datafolha: 70% dos brasileiros querem vacina obrigatória; número é recorde

Neste domingo (21), uma pesquisa do Instituto Datafolha mostrou crescimento do apoio dos brasileiros à vacinação contra a COVID-19 e também à obrigatoriedade da vacina.

Conforme dados do Datafolha publicados pelo jornal Folha de São Paulo neste domingo (21), o número de brasileiros que acredita que a vacinação deve ser obrigatória contra a COVID-19 chegou a 70%.

O patamar é recorde e mostra aumento em relação à última pesquisa, realizada em janeiro deste ano, quando 55% dos entrevistados responderam que querem a obrigatoriedade da vacina. Já a porcentagem dos que não querem a obrigatoriedade diminuiu de 44% para 30%.

A pesquisa do Datafolha também perguntou aos entrevistados se pretendem ou não se vacinar. Segundo os dados, 84% disseram que querem se vacinar, sendo que em janeiro a porcentagem era de 73%. Em agosto do ano passado, 89% disseram à pesquisa que pretendiam se vacinar.

Já os que afirmam que não pretendem se vacinar são agora apenas 9%, sendo que em janeiro deste ano eram 22% e em agosto do ano passado eram 9%. A pesquisa também perguntou aos entrevistados se já haviam se vacinado, e 5% disseram que sim.

O Datafolha mostra ainda que a intenção de se vacinar é maior entre os que não apoiam o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Entre os que avaliam o governo Bolsonaro como ótimo ou bom, 76% pretendem se vacinar. Entre os que avaliam como ruim ou péssimo, 89% pretendem se vacinar. A diferença está acima da margem de erro.

Conforme dados do consórcio de veículos de imprensa, 11,7 milhões de pessoas receberam a primeira dose da vacina até agora no Brasil, enquanto cerca de 4,1 milhões receberam a segunda dose.

A pesquisa do Datafolha foi realizada com pessoas que possuem telefone celular entre os dias 15 e 16 de março e ouviu 2.023 brasileiros adultos de todas as regiões e estados do país. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

br.sputniknews.com