qui. jan 28th, 2021

Sete governadores pedem mais participação do governo federal na segurança

Governadores de sete estados brasileiros divulgaram na noite desta quinta-feira (5) um manifesto em que solicitam ao governo federal que destine mais recursos à segurança pública. No documento divulgado pela assessoria do governo goiano, os chefes dos Executivos do Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins afirmam que o setor, “particularmente no sistema penitenciário, exige a tomada de providências urgentes por parte do governo federal”.

Na mensagem, Rodrigo Rollemberg (Distrito Federal), Flávio Dino (Maranhão), Pedro Taques (Mato Grosso), Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul), Confúcio Moura (Rondônia) e Marcelo Miranda (Tocantins) endossam parte das críticas feitas nos últimos dias pelo governador goiano, Marconi Perillo, como a falta de vigilância qualificada nas fronteiras do país para coibir os crimes relacionados ao tráfico de armas e drogas e a criação de novas unidades prisionais federais para receber os presos mais perigosos. Desde segunda-feira (1º), três rebeliões foram registradas no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital de Goiás.

Os sete governadores também cobram o imediato descontingenciamento de recursos financeiros do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) que continuam retidos e a adoção de uma legislação mais rígida para a penalização de crimes, com a rediscussão da progressão de regime de penas e a criação de um Fundo Nacional de Segurança Pública.

“Estamos convencidos de que, dessa forma, sobretudo com uma maior participação do governo federal na gestão da segurança pública, os estados poderão avançar na reestruturação do sistema penitenciário”, afirmam os governadores do grupo nomeado como Consórcio Interestadual de desenvolvimento do Brasil Central (BrC), manifestando preocupação com o agravamento da crise da segurança pública no país.

“Os entes federados enfrentam praticamente sozinhos os grandes desafios impostos pelo avanço da criminalidade, sobretudo as ações de grupos organizados para o tráfico de drogas e crimes correlatos”, lembram os governadores, citando o sucateamento das estruturas carcerárias, o número insuficiente de agentes das forças de segurança pública e o que classificam como “leis inadequadas”.

Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Caiado diz que vários estados podem entrar em colapso com segunda onda de Covid-19

Médico, governador de Goiás Ronaldo Caiado (DEM) alerta sobre a possibilidade de nova cepa do coronavírus estar circulando pelo país e projeta que Estados podem entrar em colapso no sistema...

Definidos membros provisórios do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Gurupi

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult) da Prefeitura de Gurupi redefiniu, de forma provisória, os membros titulares e suplentes do Conselho Municipal de Políticas Culturais. A reunião foi...

Após governo brasileiro ter gastado R$ 15 milhões com leite condensado, deputados acionam o TCU

Após reportagem que denunciou que o total das despesas do governo federal brasileiro com alimentos soma mais de R$ 1,8 bilhão em 2020, o Tribunal de Contas da União (TCU)...

Governador inaugura sede do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PMTO

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, inaugurou nesta terça-feira, 26, a sede do Batalhão de Operações Especiais (Bope), a nova unidade de elite criada pela Polícia Militar do...