Mesmo com média móvel de mortes por Covid-19 em alta, prefeito Wagner libera  funcionamento  de bares e outras atividades

Mesmo com média móvel de mortes por Covid-19 em alta, prefeito Wagner libera funcionamento de bares e outras atividades

Araguaína vem registrado uma média móvel de mortes por Covid-19 alta. Pacientes não encontram vagas nos leitos clínicos e UTIs na cidade para se tratar da doença. No boletim estadual, Araguaína registrou 170 novos casos de Coronavírus. Mas em meio a tal cenário, nesta segunda-feira, 12, o prefeito Wagner Rodrigues autorizou o retorno do funcionamento de várias atividades. Devido a tais medidas, a situação que já é caótica pode piorar ainda mais.

O novo decreto publicado pela Prefeitura Municipal de Araguaína flexibilizando  o funcionamento de bares, restaurantes, cinemas, adegas, lanchonetes e similares, com horário previsto para o funcionamento até no máximo às 22h, e passando a ter tolerância para até 23h, permitindo apenas de 4 à 6 pessoas, com a capacidade de lotação em 50%. O novo decreto também autoriza o retorno das aulas, usando o modelo semipresencial, na rede municipal de ensino, educação infantil particular e também cursinhos e afins.

As medidas tomadas pelo prefeito Wagner atendem às demandas feitas por dois vereadores: Marcus Duarte, dono de restaurante, e Ygor Cortez, evangélico proprietário de bar. Ambos vereadores vinham pressionando o prefeito para volta dessas atividades, mesmos sem ter vagas nas UTIs de Araguaína.

A gestão do prefeito Wagner Rodrigues (SD) e do Ex-prefeito Ronaldo Dimas (PODEMOS), juntas já atingiu cerca de 25 mil casos e 332 mortes pela Convid-19. O município de Araguaína se tornou a 2° cidade com o maior número de casos e mortes no estado.

Tem quem acredite que Araguaína  pode ser responsável, em parte, pela   disseminação do   Coronavírus em várias cidades   vizinhas. Geralmente há um trânsito de pessoas advindas das cidades circunvizinhas de Araguaína para fazer compras, ou para estudar e até mesmo para utilizar o sistema   de saúde, etc. Ao se contaminarem, acabam disseminando a doença ao retornarem para a suas cidades.

Por:  Geovane Oliveira